Situação económica leva a suspender um dos serviços de táxis timorenses

A situação económica que se vive em Timor-Leste levou à suspensão temporária de um dos serviços de táxis a operar em Díli, depois de perdas sucessivas acumuladas durante vários meses, disse o responsável da empresa.

Situação económica leva a suspender um dos serviços de táxis timorenses

Situação económica leva a suspender um dos serviços de táxis timorenses

A situação económica que se vive em Timor-Leste levou à suspensão temporária de um dos serviços de táxis a operar em Díli, depois de perdas sucessivas acumuladas durante vários meses, disse o responsável da empresa.

Fernando da Silva, proprietário da rede de 20 táxis Corrotrans explicou à Lusa que era impossível “continuar a acumular perdas mensais de entre 5.000 e 7.000 dólares”, notando que a empresa regressará ao serviço assim que a situação do país o permitir.

“Todas as nossas empresas do grupo Divita, incluindo a Corrotrans, enfrentam atualmente muitos desafios e problemas. Tentámos manter o serviço em operação, por causa dos nossos clientes, mas foi impossível”, disse.

“O custo do combustível é elevado, os custos operacionais são elevados, estávamos a pagar ‘per diem’ aos funcionários e combustível e não tínhamos suficiente retorno”, sublinhou.

Essa situação e as “queixas de alguns clientes” sobre alguns dos motoristas levaram a empresa a “suspender temporariamente a operação”.

“Se a situação melhorar voltaremos a operar com nova gestão, e um novo sistema que possa garantir melhores benefícios. Não somos o Governo e não podemos continuar a perder dinheiro. Somos uma empresa e temos de sobreviver”, disse.

Um dos motoristas disse à Lusa que o problema se devia a dívidas de combustível da empresa, informação desmentida por Fernando da Silva, que disse que o grupo proprietário da Corrotrans é proprietário de uma bomba de gasolina.

Além do impacto na Corrotrans, o grupo — que representa a operadora aérea indonésia Citilink em Timor-Leste — tem sido afetada igualmente pelo fecho das fronteiras, que obrigaram à suspensão de voos comerciais desde março do ano passado.

“Tem sido um ano muito difícil para o grupo. Trabalhamos na área de serviços e estamos a ter um grande impacto. Apesar disso, estamos a tentar manter os nossos mais de 100 trabalhadores, disse.

Os ‘taxis azuis’, como eram conhecidos, eram dos mais procurados pela higiene, segurança, sistema de marcação telefónica e por usarem taxímetro.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS