Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos com ‘luz verde’ para marcar greves

O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos foi hoje mandatado para marcar greves ano caso o processo de revisão das carreiras não acautele as mudanças que entende serem necessárias.

Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos com 'luz verde' para marcar greves

Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos com ‘luz verde’ para marcar greves

O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos foi hoje mandatado para marcar greves ano caso o processo de revisão das carreiras não acautele as mudanças que entende serem necessárias.

O diploma que procede à revisão das carreiras especiais da Autoridade Tributária e Aduaneira, criando duas novas carreiras especiais, com conteúdos funcionais das áreas tributária e aduaneira, foi aprovado na generalidade no Conselho de Ministros.

Esta versão contém ainda vários pontos que desagradam aos trabalhadores e que o STI pretende ver ultrapassados, tendo prevista a apresentação de uma contraproposta que espera negociar na próxima reunião.

Num cenário de impasse negocial, o Conselho Geral do STI decidiu mandatar já a Direção do sindicato para marcar períodos de greve, com recurso ao fundo, ou outras formas de luta, até ao final do ano.

O presidente do STI, Paulo Ralha, referiu à Lusa que a proposta aprovada pelo Governo “falha” nos processos de transição das carreiras atuais para as novas, sendo necessário “clarificá-la” neste ponto.

O STI distancia-se ainda da proposta do Governo em relação à progressão na carreira, exigindo que a avaliação permanente seja mais valorizada em detrimento da valorização que atualmente é dada ao SIADAP (sistema de avaliação de desempenho).

A forma como o diploma prevê o acesso aos cargos de chefia, nomeadamente o peso que é dado à entrevista, também não tem o acordo do STI que quer ainda que a proposta alargue aos trabalhadores das alfândegas e dos serviços de informática a possibilidade de todos os anos pedirem transferência do seu local de trabalho.

O diploma aprovado pelo Conselho de Ministros contempla a devolução do vínculo por nomeação aos funcionários de 14 carreiras que são agora extintas e que transitam para as carreiras especiais de gestão e inspeção tributária e aduaneira e de inspeção e auditoria tributária e aduaneira.

A par das duas carreiras especiais, o diploma contempla quatro carreiras subsistentes.

As novas carreiras especiais terão 12 escalas na Tabela Remuneratória Única, iniciando-se na posição 18 e terminando na 57.

LT // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS