Sindicato dos motoristas mantém desafio à Antram para encetar negociações

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas garantiu que vai estar às 15:00 na Direção Geral do Emprego e Relações de Trabalho apesar da recusa da Antram em negociar.

Sindicato dos motoristas mantém desafio à Antram para encetar negociações

Sindicato dos motoristas mantém desafio à Antram para encetar negociações

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas garantiu que vai estar às 15:00 na Direção Geral do Emprego e Relações de Trabalho apesar da recusa da Antram em negociar.

Aveiras de Cima, Lisboa, 15 ago 2019 (Lusa) — O presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, garantiu que vai estar às 15:00 na Direção Geral do Emprego e Relações de Trabalho apesar da recusa da Antram em negociar sem os motoristas desconvocarem a greve.

“O desafio lançado ontem [quarta-feira] para as 15:00 de hoje mantém-se”, afirmou Francisco São Bento, acrescentando esperar que “ambas as entidades [Governo e Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram)] se apresentem na DGERT”.

O presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) disse ficar “à consideração da Antram” manter a posição de recusar negociações caso os motoristas não desconvoquem a greve.

Francisco São Bento falava em Aveiras de Cima, onde se prepara para reunir com os associados do sindicato.

O presidente do SNMMP adiantou que depois “ontem [quarta-feira] os motoristas terem dado uma mensagem ao senhor ministro, após as ameaças de detenção”, os associados vão continuar a cumprir os serviços mínimos.

Francisco São Bento disse ainda aos jornalistas que o sindicato está a “analisar a situação” após o acordo assinado na noite de quarta-feira entre a Antram e a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) e a “ponderar as próximas estratégias”.

O presidente do Sindicato afirmou ainda não se sentir “isolado” após o acordo entre os patrões e a federação e afirmou que a greve vai continuar “cumprindo os serviços mínimos e a requisição civil”.

Os motoristas de matérias perigosas e de mercadorias cumprem hoje o quarto dia de uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar uma requisição civil na segunda-feira à tarde, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

A greve foi convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Antram o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

DA // JMR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS