Rússia acusa EUA e NATO de planearem entregar armas à oposição da Venezuela

Rússia acusa EUA e NATO de planearem entregar armas à oposição da Venezuela

O governo russo acusou hoje os Estados Unidos e a NATO de planearem entregar armas à oposição venezuelana, para derrubar o Presidente eleito, Nicolas Maduro.

A porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria Zakharova, disse em Moscovo que os EUA têm planos para deslocar forças especiais para junto de território venezuelano. E que procuram formas de introduzir armas no país. A intenção será a de distribui-las à oposição do autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó. O «suposto comboio de ajuda humanitária», acrescenta Zakharova, que deverá entrar sábado na Venezuela, pela Colômbia, é um pretexto para uma intervenção militar operada pelos EUA e pela NATO.

Porta-voz da Rússia considera haver «uma provocação perigosa, inspirada por Washington»

«Trata-se de uma provocação perigosa, inspirada por Washington», disse Zakharova. O governo norte-americano «está a preparar» uma ação «para remover do poder o atual Presidente legítimo da Venezuela». Há «relatos de que empresas norte-americanas e de aliados dos EUA estão a estudar a compra de grandes quantidades de armas e munições, oriundas da Europa de Leste, para entregar às forças da oposição venezuelana». Nicolas Maduro mandou já fechar a fronteira com o Brasil. Ameaça ainda fazer o mesmo com a Colômbia, usando o mesmo argumento de Moscovo, ou seja referindo a intenção dissimulada de uma intervenção militar.

LEIA MAIS

Previsão do tempo para sábado

José Fidalgo emociona-se ao falar da ex-mulher. «A Fernanda foi o grande amor da minha vida»

Liliana Filipa: «Não consigo trabalhos porque participei na Casa dos Segredos»

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Rússia acusa EUA e NATO de planearem entregar armas à oposição da Venezuela

O governo russo acusou hoje os Estados Unidos e a NATO de planearem entregar armas à oposição venezuelana, para derrubar o Presidente eleito, Nicolas Maduro.