Rodoviária do Oeste reduz serviços ao mínimo para assegurar transporte escolar

Rodoviária do Oeste reduz serviços ao mínimo para assegurar transporte escolar

A Rodoviária do Oeste admitiu hoje reduzir os serviços ao mínimo nos próximos dias, para garantir o transporte de alunos no regresso às aulas, se a greve dos motoristas de matérias perigosas se prolongar.

“A situação é muito grave, as reservas estão baixíssimas e, se a greve se prolongar, a empresa não terá outra solução que não seja reduzir os serviços ao mínimo”, disse hoje à agência Lusa Orlando Ferreira, administrador da Rodoviária do Oeste.

A empresa, do Grupo Rodoviária do Tejo, informou hoje em comunicado que “face à greve de motoristas do transporte de matérias perigosas e consequentes dificuldades no abastecimento de combustíveis” poderá “ser forçada” a fazer alterações na oferta de transportes.

À Lusa, o administrador disse estar “focado no regresso dos alunos às aulas, na terça-feira”, situação em que “para assegurar esse transporte” é necessário “suprimir ligações na quinta-feira e na segunda-feira”.

O número de carreiras a suprimir “dependerá de as empresas de transportes fora de Lisboa e Porto serem incluídas nos serviços mínimos” e do número de dias de greve dos motoristas, já que, acrescentou, “mesmo que a greve termine rapidamente o reabastecimento vai demorar algum tempo a ser regularizado”.

A Rodoviária do Oeste (que opera nos concelhos de Alcobaça, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Nazaré, Peniche e nas ligações a Torres Vedras e Lisboa) prevê divulgar ainda hoje os horários que serão suprimidos.

A greve dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00:00 de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro) informou que não foi ainda retomado o abastecimento dos postos de combustível, apesar da requisição civil, e que já há marcas “praticamente” com a rede esgotada.

O primeiro-ministro admitiu alargar os serviços mínimos e adiantou que o abastecimento de combustível está “inteiramente assegurado” para aeroportos, forças de segurança e emergência.

Ao final da tarde de terça-feira, o Governo declarou a “situação de alerta” devido à greve, avançando com medidas excecionais para garantir os abastecimentos e, numa reunião durante a noite com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, foram definidos os serviços mínimos.

A greve dos motoristas de matérias perigosas decorre por tempo indeterminado.

Militares da GNR estão de prevenção em vários pontos do país para que os camiões com combustível possam abastecer e sair dos parques sem afetarem a circulação rodoviária.

LEIA MAIS

12 dicas para poupar combustível

ANA confirma que fornecimento de combustível foi retomado mas ainda aquém das necessidades

 

 

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Rodoviária do Oeste reduz serviços ao mínimo para assegurar transporte escolar

A Rodoviária do Oeste admitiu hoje reduzir os serviços ao mínimo nos próximos dias, para garantir o transporte de alunos no regresso às aulas, se a greve dos motoristas de matérias perigosas se prolongar.