Preço de transportes na cidade moçambicana da Beira sobe a partir de segunda-feira

O preço dos transportes coletivos na cidade da Beira vai, a partir de segunda-feira, custar cinco meticais (0,7 cêntimos de euro) mais caro, informou hoje o presidente do conselho autárquico da capital provincial de Sofala, centro de Moçambique.   

Preço de transportes na cidade moçambicana da Beira sobe a partir de segunda-feira

Preço de transportes na cidade moçambicana da Beira sobe a partir de segunda-feira

O preço dos transportes coletivos na cidade da Beira vai, a partir de segunda-feira, custar cinco meticais (0,7 cêntimos de euro) mais caro, informou hoje o presidente do conselho autárquico da capital provincial de Sofala, centro de Moçambique.   

“Já temos a carta ratificada pelo Ministério dos Transportes e Comunicação que nos autoriza a implementar a nova tabela de preços de transportes urbanos”, referiu o presidente do Conselho Autárquico da Cidade da Beira, Albano Carige.

Albano Carige falava a jornalistas na Beira, após a cerimónia de enceramento do curso básico da polícia municipal.

Com a aprovação da nova tabela pelo Governo central, os preços dos transportes dentro da cidade da Beira sobem de 10 meticais (0,15 cêntimos de euro) para 15 meticais (0,23 cêntimos de euro) e, no caso de percursos para fora da cidade, de 20 meticais (0,31 cêntimos de euro) para 25 meticais (0,38 cêntimos de euro).

“Assim que recebemos o comunicado, informamos de seguida a Associação dos Transportes da Beira e aos associados, para que, a partir de segunda-feira, possam usar a nova tabela”, acrescentou o autarca.

A cidade da Beira enfrentou por dois dias, nesta semana, uma crise dos transportes, quando os autocarros e “chapas”, ligeiros improvisados como transporte urbano coletivo, encostaram os seus veículos, mais uma vez, exigindo a revisão do preço de transporte face ao aumento do preço de combustível.

Na semana passada, a Federação Moçambicana das Associações dos Transportadores Rodoviários (Fematro) pediu ao Governo um mecanismo de reajustamento automático do preço de transporte, visando acabar com a incerteza em relação à fixação da tarifa e à viabilidade da atividade.

A proposta da Fematro surgiu na sequência de uma paralisação espontânea de transporte público movida pelos “chapeiros”, furgões de transporte de passageiros, na cidade e província de Maputo, devido ao novo aumento do preço dos combustíveis.

O Ministério dos Transportes e Comunicações de Moçambique prometeu compensações e subsídios aos transportadores para mitigar o impacto do aumento dos preços dos combustíveis em Moçambique.

JYJE // RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS