Zé do Pipo | Polícia recorre a ADN do cantor após encontrar corpo numa praia de Mafra

O Ministério Público e a Polícia Marítima recorrem a testes de ADN para apurar se corpo encontrado em avançado estado de decomposição numa praia no concelho de Mafra é de Zé do Pipo. O cantor desapareceu a 5 de novembro de 2018.

Zé do Pipo | Polícia recorre a ADN do cantor após encontrar corpo numa praia de Mafra

Zé do Pipo | Polícia recorre a ADN do cantor após encontrar corpo numa praia de Mafra

O Ministério Público e a Polícia Marítima recorrem a testes de ADN para apurar se corpo encontrado em avançado estado de decomposição numa praia no concelho de Mafra é de Zé do Pipo. O cantor desapareceu a 5 de novembro de 2018.

O Ministério Público e a Polícia Marítima recorrem a testes de ADN para apurar se corpo encontrado em avançado estado de decomposição numa praia no concelho de Mafra pode pertencer a Zé do Pipo.  O MP insiste em apurar mais pormenores e testemunhos no caso do desaparecimento do cantor, de 40 anos, que foi visto pela última vez de 5 para 6 de novembro de 2018, em Peniche.

LEIA DEPOIS
Mau tempo | Quatro distritos sob aviso amarelo devido ao vento forte e queda de neve

Segundo o Correio da Manhã, a Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou ao jornal que «foi determinada a realização de um exame pericial para comparação do ADN recolhido ao cadáver encontrado» a 20 de novembro de 2019 na praia da Calada, na Encarnação, Mafra. Foi também recolhido ADN dos familiares do artista.

Zé do Pipo saiu para ir à farmácia e ao banco

Zé do Pipo, nome artístico de Nuno Batista, desapareceu em novembro de 2018, junto à praia de Peniche, onde foram encontrados a viatura e os documentos. As buscas pelo artista terminaram e nunca se chegou a saber o que aconteceu.

O processo em tribunal descreve que Zé do Pipo saiu de sua casa, na aldeia do Vau, em Óbidos, pelas 14h de dia 5 de novembro. Terá dito à mulher que ia ao banco e à farmácia e, a seguir, nunca mais ninguém soube do seu paradeiro. Duas horas depois, a mulher ligou-lhe, mas o aparelho já estava desligado. A família começou a procurá-lo primeiro em Óbidos, onde vivia, depois em Peniche, na zona dos pais.

Telemóvel dá sinal após desaparecimento do cantor

Na madrugada desse dia, o pai do artista ainda ganhou esperança em abraçar o filho, quando o telemóvel deu sinal. No entanto, as mensagens e as chamadas enviadas não tiveram qualquer resposta. Até hoje.

Texto: Carla S. Rodrigues

LEIA MAIS
INEM instaura processos disciplinares no caso da morte de Carlos Amaral Dias
Mau tempo | Quatro distritos sob aviso amarelo devido ao vento forte e queda de neve

Impala Instagram


RELACIONADOS