Votou contra Bolsonaro e foi morto com 12 facadas [vídeo]

Paulo Sérgio, de 36 anos, explicou que quando percebeu que o grupo, no qual a vítima estava, não tinha votado em Bolsonaro decidiu ir a casa buscar uma faca

Romualdo Rosário da Costa, mestre de capoeira em Salvador, no Brasil, foi morto à facada esta segunda-feira, dia 29 de outubro, durante uma discussão política sobre os resultados das recentes eleições presidenciais brasileiras.

LEIA MAIS: Deputada pede que alunos denunciem professores contra o novo presidente brasileiro

De acordo com o jornal A Tarde, a vítima de 63 anos, mais conhecida pelo nome Moa do Katendê, foi esfaqueada 12 vezes nas costas por um homem que afirmou ser apoiante de Jair Bolsonaro, o vencedor das eleições.

O suspeito já foi detido pelas forças policiais brasileiras e terá confessado o crime. O alegado agressor, Paulo Sérgio, de 36 anos, explicou que quando percebeu que o grupo, no qual a vítima estava, tinha votado no Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu ir a casa buscar uma arma e branca e regressar ao bar para agredir os membros do referido grupo.

«Cometeu o crime logo após uma discussão política sobre o resultado das eleições»

«Policiais militares da 26.ª Companhia Independente de Polícia Militar prenderam em flagrante na madrugada desta segunda-feira o autor de um homicídio, que cometeu o crime logo após uma discussão política sobre o resultado das eleições na Avenida Vasco da Gama, Dique do Tororó», revelou em nota de imprensa a Polícia Militar.

As autoridades ainda acrescentaram que o autor confesso ainda fez uma segunda vítima que ficou apenas com ferimentos ligeiros. «O criminoso fez duas vítimas à facada, um homem de 63 anos que não resistiu aos ferimentos e morreu no local e outro, de 51 anos, atingido no braço e socorrido por populares para o Hospital Geral do Estado», pode ler-se no mesmo comunicado.

No entanto, a publicação referida partilhou um vídeo, no qual o alegado agressor garantiu que o mestre de capoeira é que se meteu com ele e que o insultou, chamando-o de «veado» (homossexual) e de «preto», justificando assim o crime.

VEJA AINDA: De mulher de bastidores a primeira dama do Brasil

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS