Violência no Burkina Faso provoca 267.000 deslocados internos nos últimos três meses

A violência e a crise humanitária nas regiões centro e norte do Burkina Faso provocaram 267.000 deslocados internos no último trimestre, anunciou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Violência no Burkina Faso provoca 267.000 deslocados internos nos últimos três meses

Violência no Burkina Faso provoca 267.000 deslocados internos nos últimos três meses

A violência e a crise humanitária nas regiões centro e norte do Burkina Faso provocaram 267.000 deslocados internos no último trimestre, anunciou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

“Cerca de 486.000 pessoas já foram forçadas a abandonar o interior do país, incluindo 267.000 só nos últimos três meses”, anunciou o porta-voz do ACNUR, Andrew Mbogori, numa conferência de imprensa em Genebra, acrescentando que outros 16.000 abandonaram o país, refugiando-se nas nações vizinhas.

De acordo com a agência das Nações Unidas, o aumento da violência armada está a provocar uma “emergência humanitária sem precedentes no Sahel”.

Num comunicado publicado no seu portal, o ACNUR refere que todas as 13 regiões do Burkina Faso estão a albergar refugiados, com a região Centro-Norte a acolher o maior número de refugiados, seguindo-se a do Sahel (extremo norte).

A agência da ONU aponta ainda que cerca de 1,5 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária urgente, mostrando-se ainda preocupada com os 31.000 refugiados malianos afetados pelo conflito.

O ACNUR afirma ainda que “as necessidades de ajuda humanitária estão a crescer tão depressa quanto o conflito” e que a “insegurança continua a devastar centenas de milhares de vidas”.

“Precisamos urgentemente de recursos para lançar uma resposta humanitária coordenada – uma necessidade imediata para salvar vidas”, refere a agência, que alerta para as dificuldades já enfrentadas pelas comunidades de acolhimento.

“Alimentos, água, abrigo e cuidados de saúde têm de ser obtidos e reforçados imediatamente se pretendemos evitar uma tragédia dentro de outra tragédia. A subnutrição e a fome são uma ameaça real”, reforçou o ACNUR.

Os ataques por grupos armados na região do Sahel, em particular no Burkina Faso, no Mali e no Níger têm-se intensificado, com o ACNUR a considerar que as fronteiras entre os três países são “focos de violência”.

A agência estima que a violência, que também já afetou o Benim, tenha colocado 5,4 milhões de pessoas em necessidade de assistência urgente.

O Burkina Faso, um país de baixo rendimento na África Ocidental, caiu numa espiral de violência nos últimos quatro anos e meio, atribuída a grupos armados ‘jihadistas’, alguns ligados à Al-Qaida e outros ao grupo terrorista Estado Islâmico.

JYO // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS