Vila Pouca de Aguiar perdeu 4.000 hectares em dois grandes fogos

Vila Pouca de Aguiar perdeu cerca de 4.000 hectares de pinhal, mato e culturas agrícolas nos dois grandes incêndios que lavraram no concelho nas duas últimas semanas, com um prejuízo financeiro elevado para as populações locais.

Vila Pouca de Aguiar perdeu 4.000 hectares em dois grandes fogos

Vila Pouca de Aguiar perdeu 4.000 hectares em dois grandes fogos

Vila Pouca de Aguiar perdeu cerca de 4.000 hectares de pinhal, mato e culturas agrícolas nos dois grandes incêndios que lavraram no concelho nas duas últimas semanas, com um prejuízo financeiro elevado para as populações locais.

“Com prejuízos muito significativos. Estamos a falar de uma área de pinhal adulto muito significativa, com pinheiros com mais de 20 anos e muitas dessas áreas com intervenções recentes, mas que não foram suficientes, devido aos ventos que tivemos, para evitar a propagação do incêndio”, afirmou hoje o presidente da câmara de Vila Pouca de Aguiar, Alberto Machado.

Na quarta-feira deflagrou um fogo em Revel, que ainda está ativo. Entre 17 e 21 de julho um outro incêndio que começou em Cortinhas, Murça, evoluiu também para Vila Pouca de Aguiar.

No total dos dois incêndios o concelho já perdeu, segundo Alberto Machado, 4.000 hectares, cerca de metade em cada ocorrência.

O Gabinete de Apoio ao Agricultor do município já está a fazer o levantamento deste fogo mais recente que atingiu, para além da floresta, áreas de souto, olival e amendoal.

“Desses soutos atingidos, muitos deles estavam em produção”, afirmou Alberto Machado.

O presidente disse que se trata de “um prejuízo financeiro muito grande e que vai interferir muito na socioeconomia local”.

“Porque a atividade agrícola é muitas vezes complementar às pequenas reformas que têm os nossos mais idosos. A apicultura, a produção florestal, a produção agrícola, a castanha, os frutos secos, o azeite, a amêndoa, tudo isso são complementos muito importantes à sustentabilidade destes territórios”, sustentou.

Por isso, à semelhança do que já aconteceu com o incêndio de Murça, o autarca reclama também apoios imediatos para os produtores que perderam o alimento dos seus animais, bem como para os apicultores porque as abelhas “perderam a flora e têm de ser alimentadas”.

“Dar uma resposta imediata a quem mais precisa e, depois, fazer uma planificação para que se possam atenuar estes prejuízos e ter uma visão, um planeamento do território diferente no médio e longo prazo”, frisou.

José Avelino Macedo foi só hoje dar uma volta de trator pelos seus terrenos à volta de Revel. O regresso à aldeia foi triste. “Vem uma pessoa desanimada. Vi castanheiros todos queimados. O meu souto estava lavrado mas, mesmo assim, ficou tudo queimado. Ainda tivemos prejuízos” afirmou.

E continuou: “Uma pessoa anda a trabalhar, a trabalhar para chegar e ver as coisas estragadas”.

Maria Argentina perdeu um pinhal e cerca de 50 castanheiros onde colhia “25 a 30 sacas de castanhas”.

“Antes eles que nós. O terreno lá fica, que havemos de fazer”, salientou, recordando uma noite muito complicada na aldeia de Revel “cercada pelo fogo”.

O alerta para o fogo de Revel foi dado às 17:14 de quarta-feira, e, em pouco tempo, verificou-se uma grande mobilização de meios para esta ocorrência que teve uma progressão muito rápida em zona de pinhal e chegou a avançar em três frentes.

Segundo o ‘site’ da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o fogo mobilizava, pelas 16:00 de hoje, 443 operacionais e 136 viaturas e seis meios aéreos.

Fonte da GNR disse à agência Lusa que um homem na casa dos 50 anos foi constituído arguido pela suspeita de realização de trabalhos na floresta que poderão ter estado na origem deste incêndio.

O homem estaria, segundo o presidente Alberto Machado, a fazer uma atividade de limpeza que não poderia fazer nesta altura e que poderá sido essa a “causa negligente” deste incêndio.

PLI // JAP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS