Ucrânia reclama reconquista de localidade na região de Kherson

O Exército ucraniano afirma ter conseguido, após uma ofensiva em territórios no sul da Ucrânia parcialmente ocupados por soldados russos, reconquistar a pequena localidade de Ivanivka, na região de Kherson.

Ucrânia reclama reconquista de localidade na região de Kherson

Ucrânia reclama reconquista de localidade na região de Kherson

O Exército ucraniano afirma ter conseguido, após uma ofensiva em territórios no sul da Ucrânia parcialmente ocupados por soldados russos, reconquistar a pequena localidade de Ivanivka, na região de Kherson.

A 60.ª Brigada de Infantaria das Forças Armadas da Ucrânia publicou na rede social Facebook imagens vídeo que aparentemente mostram como os veículos blindados e soldados de Kiev entraram em Ivanivka. 

“As forças ucranianas restabeleceram o controlo sobre outra aldeia que tinha sido ocupada pela Rússia. O material militar que foi agora destruído testemunha a ocupação de Ivanivka por parte da Rússia”, refere a mensagem da 60.ª Brigada de Infantaria.  

Os mesmos militares declaram que as tropas ucranianas estão a estabelecer comunicação com os residentes locais, oferecendo ajuda e assistência a quem desejar.  

Anteriormente, as autoridades da Ucrânia tinham apelado às populações que ainda permaneciam nas áreas ocupadas pelos russos – nas regiões a sul de Kherson e Zaporijia — para abandonarem a zonas, visando evitar danos e sofrimentos durante a ofensiva de reconquista.

As últimas informações sobre a situação militar na região ainda não foram confirmadas por fontes e meios independentes. 

Entretanto, a vice-primeira-ministra para Reintegração dos Territórios Temporariamente Ocupados, Iryna Vereshchuk, pediu aos residentes das localidades ocupadas pelas forças russas para “evacuarem os locais onde se encontram”. 

Vereshchuv emitiu a mensagem à população durante o programa de informação diário do governo, que é transmitido por todas as televisões ucranianas.

A região de Kherson e a área de Zaporijia – onde se encontra a maior central nuclear da Europa – foram ocupadas parcialmente pelos militares de Moscovo pouco depois da invasão da Ucrânia, no passado dia 24 de fevereiro. 

As duas regiões são vizinhas da Península da Crimeia, invadida e anexada pela Rússia desde 2014. Em algumas das cidades da zona os ocupantes instalaram órgãos de administração local que colaboram com Moscovo.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou perto de cinco mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

PSP // PAL

Lusa/fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS