Declarados inocentes após passarem 36 anos na prisão

O trio foi acusado, em 1983, de matar DeWitt Duckett, de 14 anos, a caminho da escola secundária de Baltimore, no estado de Maryland, nos Estados Unidos.

Declarados inocentes após passarem 36 anos na prisão

Declarados inocentes após passarem 36 anos na prisão

O trio foi acusado, em 1983, de matar DeWitt Duckett, de 14 anos, a caminho da escola secundária de Baltimore, no estado de Maryland, nos Estados Unidos.

Passaram 36 anos na prisão, condenados por um crime que nunca cometeram. Alfred Chestnut, Andrew Stewart e Ransom Watkin foram esta segunda-feira, 26 de novembro, declarados inocentes e libertados.

LEIA DEPOIS

22 anos de cadeia para homem que matou ex-companheira na Golegã

Trio foi condenado em 1983 a prisão perpétua

O trio foi acusado, em 1983, de matar DeWitt Duckett, de 14 anos, a caminho da escola secundária de Baltimore, no estado de Maryland, nos Estados Unidos. Na altura, o caso tornou-se mediático por se tratar do primeiro tiroteio fatal numa escola pública naquela cidade. Os alegados suspeitos foram condenados a prisão perpétua no ano seguinte.

Caso reaberto por causa de uma carta de um dos alegados suspeitos

O caso foi reaberto este ano devido a uma carta que um dos arguidos, Alfred Chestnut, enviou à advogada estatal, onde dizia que ele e os colegas eram inocentes. Para sustentar a sua teoria, Chestnut apresentava documentos que na altura o juiz tinha arquivado.

Adolescentes admitem ter mentido na altura por pressão da polícia

Na altura, a condenação teve por base o testemunho de quatro adolescentes que confessaram agora ter mentido por pressão da polícia. Além disso, as autoridades terão ignorado e ocultado relatos de várias testemunhas que identificavam outros assassino. Muitas das testemunhas não conseguiram identificar nenhum dos elementos do trio quando confrontadas com fotografias.

«Os detectives fizeram destes três jovens negros de 16 anos um alvo e coagiram outras testemunhas da mesma idade a defender a sua teoria. As provas materiais que poderiam ter libertado os adolescentes foram ocultados da defesa e do júri», explica o gabinete da procuradora da cidade de Baltimore, Marilyn Mosby, em comunicado.

«As coisas pelas quais tive de passar foram tortura»

O tribunal de Baltimore tem um departamento que se dedica à descoberta de casos de condenações injustificadas. Desde 2015 – ano em que foi criado – já foram libertadas nove pessoas que estavam presas injustamente. «Hoje não é uma vitória. É uma tragédia porque roubaram a estes três homens 36 anos de vida. Em nome da Procuradoria, permitam-me dizer que lamento. O sistema falhou-vos e nunca deviam ter visto o interior de uma cela», afirmou Mosby. A lei em Maryland não prevê a recompensa daqueles que foram condenados por um crime que não cometeram.

«As coisas pelas quais tive de passar foram tortura. Não há outra maneira de descrevê-lo. Nós agarrámo-nos uns aos outros, foi isso que nos aguentou até aqui», disse Ransom Watkin, em comunicado.

LEIA MAIS

Ministério Público não pede pena máxima para Rosa Grilo e António Joaquim

Impala Instagram


RELACIONADOS