1. HOME >
  2. NOTICIAS >
  3. PORTUGAL E O MUNDO
Tribunal da Relação absolveu José Manuel Coelho em processo movido por juíza

Tribunal da Relação absolveu José Manuel Coelho em processo movido por juíza

O Tribunal da Relação de Lisboa absolveu o ex-deputado e dirigente do PTP, José Manuel Coelho, da condenação a 18 meses de prisão domiciliária no processo movido pela juíza Joana Dias, disse hoje o seu advogado.

A Relação “revogou a pena de 18 meses de prisão domiciliária e condenou-o apenas numa pena de multa de 5.440 euros”, disse à Lusa Norberto Batista.

O advogado de defesa recordou ainda que “José Manuel Coelho estava condenado a cumprir um ano e meio de prisão domiciliária no processo movido pela juíza Joana Pereira Dias, no qual foi condenado por quatro crimes de fotografia ilícita e oito crimes de difamação agravada”.

Norberto Baptista frisou que a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, conhecida quinta-feira, “anulou o acórdão e deu razão ao recurso interposto pela defesa”.

Nesta decisão, a Relação também o “absolveu dos crimes de fotos líticas e dos oito de difamação agravada, mantendo apenas um deste tipo de ilícito”, explicou.

O Tribunal da Relação “reconhece que José Manuel Coelho proferiu as afirmações enquanto deputado e, como tal, prevalece o direito de liberdade de expressão na sequência do que tem vindo a ser proferido pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem”, afirmou.

Norberto Baptista acrescentou que a Relação ainda reduziu a indemnização a pagar à juíza a que fora condenado pelo Tribunal da Instância Central da Madeira de 60 mil para 20 mil euros.

Para o advogado, “o tribunal considera que a juíza Joana Dias, por estar há 18 anos na Madeira e ser titular de um órgão de soberania, acaba por ser uma figura pública e tem de ter capacidade de encaixe para saber lidar com este tipo de situações”.

José Manuel Coelho foi julgado juntamente com outros três arguidos — a filha, Raquel Coelho, o ex-parlamentar José Luís Rocha, e o diretor do jornal satírico ‘Quebra-Costas’, José Quintal de Nóbrega, pelos crimes de difamação e fotografias ilícitas da juíza Joana Dias, que foi assistente neste processo.

O tribunal deu como provados todos os factos constantes da acusação, mas considerou que os restantes três arguidos “não tiveram participação” nas ações e “não integram tipos dos crimes que vinham acusados”, absolvendo-os.

A juíza presidente do coletivo Carla Menezes resumiu o acórdão de 60 páginas, apontando que o tribunal teve em conta os “antecedentes criminais” de José Manuel Coelho, que foi condenado “cinco vezes” pelos crimes de difamação e difamação agravada, tendo sido condenado já a prisão com pena suspensa.

Na origem deste processo estiveram críticas e publicações feitas pelo arguido que a juíza Joana Dias considera que puseram em causa a sua “parcialidade” e “honra”.

José Manual Coelho afirmou, entre outras coisas, que Joana Dias era “a juíza dos sete maridos”, que “apoiava os corruptos desta terra [Madeira]” e “era a menina do regime jardinista”.

AMB // MCL

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Tribunal da Relação absolveu José Manuel Coelho em processo movido por juíza

O Tribunal da Relação de Lisboa absolveu o ex-deputado e dirigente do PTP, José Manuel Coelho, da condenação a 18 meses de prisão domiciliária no processo movido pela juíza Joana Dias, disse hoje o seu advogado.