Sistema de receitas eletrónicas já foi reposto e farmácias agradecem civismo dos utentes

O sistema informático de suporte às receitas eletrónicas recomeçou a funcionar às seis horas da manhã de hoje, duas horas antes do previsto.

Sistema de receitas eletrónicas já foi reposto e farmácias agradecem civismo dos utentes

Sistema de receitas eletrónicas já foi reposto e farmácias agradecem civismo dos utentes

O sistema informático de suporte às receitas eletrónicas recomeçou a funcionar às seis horas da manhã de hoje, duas horas antes do previsto.

Lisboa, 01 dez 2019 (Lusa) – O sistema informático de suporte às receitas eletrónicas recomeçou a funcionar às seis horas da manhã de hoje, duas horas antes do previsto, pelo que as pessoas com receitas médicas nos telemóveis já as podem aviar nos moldes habituais.

“Os doentes com receitas médicas nos seus telemóveis ou em qualquer outro suporte já podem dirigir-se às farmácias normalmente”, refere a Associação Nacional de Farmácias (ANF) num comunicado, em que assinala “o civismo” mostrado pelos portugueses que concentraram a procura por farmácias durante a manhã de sábado, antes dos sistemas informáticos de suporte às receitas eletrónicas terem sido desligados.

“O civismo da população e o esforço das equipas das farmácias permitiram garantir o acesso aos medicamentos a todos os doentes urgentes durante o período de indisponibilidade do sistema”, declarou Miguel Lança, diretor de Sistemas de Informação da ANF.

Os sistemas informáticos de suporte às receitas eletrónicas estiveram desligados entre as 14:00 horas de sábado e a previsão era de que apenas fossem retomados às 08:00 horas de hoje, o que levou a ANF a reforçar as equipas nas farmácias e a pedir aos utentes para tentarem aviar antes as receitas.

A ANF volta a referir que “só foi informada às 18:43 de sexta-feira do apagão do sistema” através de e-mail e apela a uma alteração de procedimentos por parte da empresa pública responsável pelo sistema, caso se volte a verificar uma situação semelhante.

No mesmo comunicado, Miguel Lança salienta, por isso, que “os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde deverão planificar quaisquer intervenções que perturbem a dispensa de medicamentos em parceria com as farmácias e os médicos prescritores, assim como avisar atempadamente a população”.

LT // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS