SEF/Ihor: Expulsão do ex-diretor de Fronteiras publicada em Diário da República

A demissão do ex-diretor de fronteiras do SEF, António Sérgio Henriques, devido ao seu envolvimento na morte do cidadão ucraniano Ihor Homenyuk, foi hoje confirmada em publicação no Diário da República.

SEF/Ihor: Expulsão do ex-diretor de Fronteiras publicada em Diário da República

SEF/Ihor: Expulsão do ex-diretor de Fronteiras publicada em Diário da República

A demissão do ex-diretor de fronteiras do SEF, António Sérgio Henriques, devido ao seu envolvimento na morte do cidadão ucraniano Ihor Homenyuk, foi hoje confirmada em publicação no Diário da República.

Lisboa, 11 mar 2022 (Lusa) — A demissão do ex-diretor de fronteiras do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), António Sérgio Henriques, devido ao seu envolvimento na morte do cidadão ucraniano Ihor Homenyuk, foi hoje confirmada em publicação no Diário da República.

“Por despacho de 3 de agosto de 2021, de Sua Exa. o Senhor Ministro da Administração Interna, torna-se público que foi aplicada a pena disciplinar de demissão, no âmbito do processo disciplinar n.º PND-21/2020, ao trabalhador António José Sérgio Henriques, ficando o mesmo exonerado da categoria de Inspetor Coordenador, com efeitos a 11 de agosto de 2021”, refere a nota publicada.

A expulsão da função pública tinha já sido adiantada em agosto de 2021 pelo jornal Público, na sequência do relatório da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI), que propunha a demissão de António Sérgio Henriques, o que veio a ser aceite pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

O ex-diretor de Fronteiras de Lisboa tinha sido afastado do cargo em 30 de março de 2020, pelo MAI, depois de serem constituídos arguidos os três inspetores do SEF que vieram a ser condenados pela morte de Ihor Homenyuk no espaço equiparado a centro de instalação temporária (EECIT) do aeroporto de Lisboa em 12 de março de 2020.

Em 10 de maio de 2021, o Tribunal Criminal de Lisboa condenou Duarte Laja e Luís Silva a nove anos de prisão e Bruno Sousa a uma pena de sete anos de prisão pelo crime de ofensa a integridade física grave qualificada, agravada pelo resultado morte do ucraniano.

Em 07 de dezembro, o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) apreciou os recursos das defesas dos arguidos, do Ministério Público (MP) e da família de Ihor Homenyuk enquanto assistente do processo, mantendo as penas dos dois primeiros inspetores e agravando a pena de Bruno Sousa também para nove anos.

Entretanto, em julho de 2021, o MP pediu ao tribunal que julgou o caso da morte de Ihor Homeniuk para instaurar um procedimento criminal contra o ex-diretor de Fronteiras do SEF António Sérgio Henriques e outros seis indivíduos.

JGO (FC/SO) // JMR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS