Reunião de Bruno de Carvalho e staff “foi para amedrontar”, diz Varandas

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, disse hoje na 27.ª sessão do julgamento do ataque à Academia que o ex-presidente Bruno de Carvalho fez uma reunião com o staff na véspera da invasão de Alcochete para “amedrontar os funcionários”.

Reunião de Bruno de Carvalho e staff

Reunião de Bruno de Carvalho e staff “foi para amedrontar”, diz Varandas

O presidente do Sporting, Frederico Varandas, disse hoje na 27.ª sessão do julgamento do ataque à Academia que o ex-presidente Bruno de Carvalho fez uma reunião com o staff na véspera da invasão de Alcochete para “amedrontar os funcionários”.

O líder sportinguista, que à data era o diretor clínico do clube, confirmou ter estado presente numa reunião em 14 de maio, no dia seguinte à derrota (2-1) com o Marítimo e na véspera do ataque à Academia, na qual estiveram presentes elementos do departamento clínico, secretários técnicos, roupeiros, o diretor para o futebol, Manuel Fernandes, o ‘team manager’ André Geraldes, o administrador Carlos Vieira e o antigo presidente Bruno de Carvalho.

LEIA MAIS PSP será “implacável” com violência e engenhos pirotécnicos no FC Porto-Benfica

“Foi uma reunião surreal. Bruno de Carvalho disse ‘estou farto que me enfiem o dedo no cu’ e que a Taça valia tanto como um furúnculo no cu. Disse ‘isto vai mudar completamente’ e que queria ‘toda a gente no treino amanhã à tarde'”, explicou Frederico Varandas, atribuindo um tom “desafiador” ao discurso do antigo presidente, quando este, “de dedo espetado”, acrescentou “amanhã, aconteça o que acontecer, quero ver quem continua comigo”.

Questionado sobre a interpretação das palavras de Bruno de Carvalho, Frederico Varandas – que foi ouvido na qualidade de representante do Sporting, assistente do processo – confessou ter entendido que “algo de anormal estaria para acontecer”, embora tenha admitido que se registava já “um crescente de tensão” entre adeptos e a equipa.

Paralelamente, o atual presidente do clube de Alvalade revelou também ter falado com Jorge Jesus no final da reunião entre Bruno de Carvalho e a equipa técnica, uma das três reuniões conduzidas pelo antigo líder do Sporting no dia 14 de maio, e que o ex-treinador dos ‘leões’ lhe admitiu que tinha sido demitido do comando técnico.

“Houve três reuniões. A primeira foi com a equipa técnica e no final dessa reunião o ‘mister’ ligou-me e disse ‘Acabou, doutor. Fui despedido'”, adiantou Frederico Varandas, declarando que soube da hora do treino de dia 15 pelo então secretário-técnico, Vasco Fernandes: “Tenho ideia de que [Bruno de Carvalho] confirma com André Geraldes que o treino seria às quatro da tarde. Normalmente, o treino seria de manhã, mas estaria sempre pendente de confirmação”.

No final da audição de Frederico Varandas, o advogado de Bruno de Carvalho, Miguel Fonseca, pediu uma acareação entre o atual presidente do Sporting e as várias testemunhas que estiveram na reunião de 14 de maio de 2018 entre o staff e o ex-presidente, por considerar que existiam “discrepâncias” entre os testemunhos.

Contudo, a juíza Sílvia Pires indeferiu o pedido, defendendo que este era “descabido” e que “discrepâncias são normais”.

O julgamento prossegue à tarde com testemunhas de defesa e com a audição do futebolista Freddy Montero, que joga nos Estados Unidos.

O processo do ataque à Academia de Alcochete – onde, em 15 de maio de 2018, jogadores e equipa técnica do Sporting foram agredidos por adeptos ligados à claque Juve Leo – tem 44 arguidos, acusados de coautoria de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Bruno de Carvalho, à data presidente do clube, ‘Mustafá’, líder da Juventude Leonina, e Bruno Jacinto, ex-oficial de ligação aos adeptos do Sporting, estão acusados de autoria moral de todos os crimes.

 

 

LEIA MAIS Rúben Amorim diz que “vitórias seguidas não interessam para nada”

Impala Instagram


RELACIONADOS