Nasceram três bebés com recurso ao rejuvenescimento ovárico

Nasceram três bebés com recurso ao rejuvenescimento ovárico

Nasceram três bebés com recurso ao rejuvenescimento ovárico. Procedimento ajuda mulheres com baixa resposta ou com falência ovárica precoce.

Nasceram três bebés com recurso ao rejuvenescimento ovárico. O procedimento medico ajuda mulheres com baixa resposta ou com falência ovárica precoce. A técnica incluiu transplante de células medula óssea da mãe.

LEIA MAIS: Bebé de três semanas morre após ataque de cães pitbull

Depois de várias gravidezes, algumas espontâneas e outras por transferências embrionária, já nasceram três bebés, graças à técnica de rejuvenescimento ovárico por transplante de células mãe da medula óssea na sequência do estudo levado a cabo pelo IVI (clínica de ferilidade sediada em Lisboa) e o Hospital La Fe, de Valência, Espanha.

O estudo, dirigido pelo copresidente do IVI, Antonio Pellicer, conduzido pelos médicos Sonia Herraiz (IVI), Mónica Romeu, Hospital La Fe de Valência, está a caminho da terceira fase, com resultados promissores.

Células mãe são implantadas no ovário para reverter o envelhecimento

Depois da primeira fase em modelo animal, mediante a qual se realizou um implante de tecido humano em ratos para comprovar a efetividade do tratamento com células mãe, o estudo avançou para uma segunda fase com vinte pacientes com baixa resposta ovárica.

Os especialistas mobilizaram células mãe, extraídas no sangue periférico. Essas, foram implantadas no ovário para reverter o processo de envelhecimento e ativar os folículos adormecidos.

LEIA MAIS: Enfermeira acusada de matar 60 bebés libertada por bom comportamento

Todos estes avanços foram apresentados recentemente, na 34.ª dição da ESHRE. «Na segunda fase vimos que a técnica ajudava a melhorar a resposta ovárica, aumentava a produção de ovócitos, mas ao ser pacientes com baixa resposta de idade materna avançada, uma percentagem elevada de embriões eram aneuploides, quer dizer, sofriam de alterações cromossómicas.

«Além disso, entre as pacientes com baixa resposta havia muita variabilidade, e em algumas ocasiões, a variabilidade podia mascarar resultados. Com base nisto descobrimos que as pacientes menopáusicas ou pré-menopáusicas, quer dizer, com falência ovárica precoce, podiam responder melhor ao tratamento e decidimos desenhar uma nova fase do estudo», explicou a médica Dra. Pellicer.

Rejuvenescimento ovárico – nova técnica, nova esperança

Para a conclusão da Terceira fase do estudo, estão a ser recrutadas mulheres menores de 38 anos e exclusivamente com falência ovárica precoce.

Segundo o Professor Antonio Pellicer, diretor do estudo, com este último enfoque, os responsáveis esperam verificar «se pelo simples facto de aumentar o número de células mãe, e fazê-las circular pelo sistema sanguíneo, estas são capazes de chegar ao ovário e atuar sobe ele».

«A nossa ideia, quando tenhamos clara a resposta das células, é desenvolver uma técnica, o menos invasiva possível, e estandardizar, para poder aplicar em qualquer clínica», concluiu.

Texto: Cynthia Valente | WIN Porto

TAMBÉM LHE PODE INTERESSAR
Casa Pia – E Agora? | Grande Reportagem: Megaprocesso ou erro tremendo? [vídeo]

E se o Processo de pedofilia na Casa Pia tivesse sido um erro? ‘Arrependidos’ desmentem depoimentos, afirmam terem sido pagos para mentir e revelam ameaças de morte.

«Pai, és inocente de tudo quanto te acusam?» [Marta Cruz, filha de Carlos Cruz]
Na passada terça-feira, 26 de junho, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) deu em parte razão ao apresentador Carlos Cruz. Para os juízes daquela instância supranacional, a aplicação da Justiça no processo Casa Pia falhou.

O TEDH concluiu que o Tribunal da Relação de Lisboa devia ter aceitado as novas provas apresentadas por Carlos Cruz no recurso. O que não aconteceu.

«Estão a lançar junto dos miúdos nomes falsos, com algumas ‘notazitas’ à mistura. Não são precisas muitas», Catalina Pestana

Entre estas novas provas estavam, por exemplo, a admissão de Teresa Costa Macedo de que mentiu no ‘lançamento’ do caso Casa Pia. Foi, aliás, condenada por «crimes de falsidade de testemunho no julgamento do processo Casa Pia».

A antiga secretária de Estado para a Família entre 1980 e 1983, com a tutela da maior instituição de acolhimento do País, não tinha identificado Carlos Cruz , como dissera, em fotografias de relatórios que guardara desde aqueles anos da década de 1980.

Veja esta grande reportagem, no vídeo que está a levantar polémica junto de toda a sociedade, AQUI.


RELACIONADOS

Nasceram três bebés com recurso ao rejuvenescimento ovárico

Nasceram três bebés com recurso ao rejuvenescimento ovárico. Procedimento ajuda mulheres com baixa resposta ou com falência ovárica precoce.