Prisão preventiva para três suspeitos do naufrágio do “Amfitriti” em São Tomé

O tribunal são-tomense determinou prisão preventiva ao comandante, vice-comandante e comercial do navio “Amfitriti” que naufragou em 25 de abril perto da ilha do Príncipe.

Prisão preventiva para três suspeitos do naufrágio do

Prisão preventiva para três suspeitos do naufrágio do “Amfitriti” em São Tomé

O tribunal são-tomense determinou prisão preventiva ao comandante, vice-comandante e comercial do navio “Amfitriti” que naufragou em 25 de abril perto da ilha do Príncipe.

São Tomé, 17 mai 2019 (Lusa) – O tribunal são-tomense de primeira instância determinou na quinta-feira prisão preventiva ao comandante, vice-comandante e comercial do navio “Amfitriti” que naufragou em 25 de abril perto da ilha do Príncipe, provocando oito mortos e nove desaparecidos, disse fonte judicial.

Outros seis arguidos, entre os quais três responsáveis do Instituto Marítimo-Portuário (Imap), incluindo o seu diretor-geral, saíram em liberdade, mas sujeitos a termo de identidade e residência.

“Esse processo, no que diz respeito aos nossos constituintes, foi baseado num conjunto de pressupostos errados e, graças a Deus, o juiz de instrução teve bom senso e entendeu que esses pressupostos em que o Ministério Publico se baseou para indiciar os nossos constituintes não estão em conformidade com a lei e devolveu-os à liberdade”, disse Nilson da Cruz, advogado dos três responsáveis do Imap.

Na quarta-feira uma juíza do tribunal de primeira instância mandou prender os nove arguidos, suspeitos do crime de homicídio involuntário.

Os arguidos são os cinco membros da tripulação, o proprietário da embarcação e os três responsáveis do Instituto Marítimo-Portuário.

Depois de preso, os arguidos foram ouvidos por um juiz de instrução criminal, que iniciou no mesmo dia o primeiro interrogatório, ouvindo apenas três dos suspeitos.

A audições foram retomadas hoje e culminaram com a prisão preventiva de três dos nove arguidos.

O navio “Amfitriti” naufragou quando transportava 212 toneladas de cargas diversas e 72 passageiros, incluindo os cinco membros da tripulação. Oito morreram, nove foram dados como desaparecidos, tendo 55 pessoas sido salvas.

O naufrágio do “Amfitriti” mobilizou uma corrente de solidariedade para com as vítimas e seus familiares, incluindo do Presidente da República, Evaristo Carvalho, e do primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, que se deslocaram também à Região Autónoma do Príncipe.

MYB // SR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS