Prisão perpétua para homem que roubou porta-moedas com 8 euros

Homem foi condenado a prisão perpétua quando tinha 25 anos. A história de Willie Simmons, agora com 61, foi dada a conhecer por uma jornalista norte-americana.

Prisão perpétua para homem que roubou porta-moedas com 8 euros

Homem foi condenado a prisão perpétua quando tinha 25 anos. A história de Willie Simmons, agora com 61, foi dada a conhecer por uma jornalista norte-americana.

Willie Simmons tinha 25 anos quando foi condenado a prisão perpétua após ter roubado uma carteira com 9 dólares, 8,28 euros. O julgamento deste herói de guerra durou apenas 25 minutos e o juiz condenou-o a pena máxima, à luz da Lei de Delinquentes Habituais de Alabama (EUA), lei revista em 2005 e que já não permite essa moldura penal pesada. «Na altura, o juiz disse que queria garantir que nunca mais veria a luz do dia», conta Willie Simmons. A sua história foi dada a conhecer pela jornalista Beth Shelbourne.

LEIA DEPOIS
Adolescente tem convulsão durante jogo online e é salvo por adversária a 8 mil km de distância

Jornalista luta para reverter pena perpétua de Willie Simmons

Jornalista empreende campanha para ajudar o sexagenário preso por roubar 8 euros

Comovida com a dureza do castigo, Beth empreendeu uma campanha para ajudar o sexagenário. «Na primeura entrevista que lhe fiz, ele nunca disse que não merecia castigo. Quando era jovem, roubou várias carteiras e acabou por ser detido. Contudo, já cumpriu há muito o seu castigo e merece ser libertado», defende a jornalista. Willie Simmons está a cumprir pena na cadeia de Holman, uma das mais violentas dos Estados Unidos da América.

«O que mais me custa é já não ter família. Não tenho a quem telefonar. Sinto-me muito só»

Willie, herói de guerra, encarcerado há 25 anos numa das mais perigosas cadeias dos EUA

A pesar de a Lei de Delinquentes Habituais de Alabama ter sofrido alterações, essas mudanças não têm efeitos retroativos. Ou seja, quem foi condenado com penas pesadas antes de 2005, como no caso de Willie, a cumprir prisão perpétua, não tem direito a revisão de pena. «O que mais me custa é já não ter família. Não tenho a quem telefonar. Sinto-me muito só e só queria poder ser livre antes de morrer. Mesmo que morresse no dia seguinte à minha libertação, já valeria a pena», confessa o detido. Beth Shelbourne já apelou a várias entidades e acredita que, em breve, Willie Simmons poderá vir a ser libertado.

LEIA MAIS
Encontra filha 30 anos depois de lhe terem dito que tinha morrido

Impala Instagram


RELACIONADOS