Polícia Judiciária investiga rede de apoio a mafioso italiano paraplégico

A Unidade Nacional Contraterrorismo (UNCT) da PJ está a investigar a existência de uma rede que permitiu a Francesco Pelle, de 44 anos, viver incógnito em Lisboa até ser traído pela covid-19 e internado no Hospital de São José, onde segunda-feira foi detido.

Polícia Judiciária investiga rede de apoio a mafioso italiano paraplégico

Polícia Judiciária investiga rede de apoio a mafioso italiano paraplégico

A Unidade Nacional Contraterrorismo (UNCT) da PJ está a investigar a existência de uma rede que permitiu a Francesco Pelle, de 44 anos, viver incógnito em Lisboa até ser traído pela covid-19 e internado no Hospital de São José, onde segunda-feira foi detido.

A Unidade Nacional Contraterrorismo (UNCT) da PJ está a investigar a existência de uma rede que permitiu a Francesco Pelle, de 44 anos, viver incógnito em Lisboa até ser traído pela covid-19 e internado no Hospital de São José, onde segunda-feira foi detido.

Apesar de paraplégico e numa cadeira de rodas desde 2005, era um dos mafiosos mais perigosos e procurados de Itália. Fugiu pela última vez em 2019 ao ver confirmada uma pena perpétua após décadas de guerras de clãs e homicídios.

Francesco Pelle foi detido e assim que tiver alta médica será presente ao Tribunal da Relação de Lisboa. Em causa está a extradição para Itália.

A operação efetuada pela UNCT foi realizada no âmbito de um mandado internacional de detenção. Faz parte do projeto I-CAN da Interpol, de cooperação internacional para a detenção de elementos do sindicato criminoso Ndrangheta, que junta várias famílias mafiosas de Calábria.

Jurou vingança após ficar paraplégico

Essa operação está agora a ser usada para apanhar cúmplices de Francesco Pelle. Em 2005, quando foi atingido a tiro na coluna e ficou paraplégico, passou a instigar ‘Vendetta [vingança] de San Luca’, entre dois clãs: a sua família e outra. Jurou vingança e instigou o ataque ao rival Giovanni Nirta, matando a sua mulher.

Não é a primeira vez que Pelle é detido num hospital. Em 2008, polícias disfarçados infiltraram-se no hospital de Pavia onde ele fazia fisioterapia, à conta do Estado, com nome falso.

Solto em 2017 por excesso de preventiva, fugiu em 2019 até ser agora detido em Lisboa. De acordo com o CM, a PJ não quis comentar a operação por ser “prematuro”.

LEIA AINDA
Recluso tenta fuga de hospital com lençóis
Recluso tenta fuga de hospital com lençóis
Um recluso da cadeia de Paços de Ferreira, de 43 anos, tentou fugir do Serviço de Medicina interna do Hospital Padre Américo através de uma corda de lençóis. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS