Pena suspensa para homicida deixa família da vítima indignada

Jorge Mendes tentava proteger um bebé, de cinco meses, e a mãe do companheiro agressor. Durante a leitura do acórdão, o juiz lembrou que o caso “é muito grave”, mas o coletivo entendeu que “deveria ser concedida uma última oportunidade” a João Almeida.

Pena suspensa para homicida deixa família da vítima indignada

Pena suspensa para homicida deixa família da vítima indignada

Jorge Mendes tentava proteger um bebé, de cinco meses, e a mãe do companheiro agressor. Durante a leitura do acórdão, o juiz lembrou que o caso “é muito grave”, mas o coletivo entendeu que “deveria ser concedida uma última oportunidade” a João Almeida.

A família de Jorge Mendes, de 49 anos, ficou incrédula e revoltada com a pena suspensa de quatro anos e meio que aplicada, nesta terça-feira, ao autor de da morte da vítima, na zona de Cantanhede. “Matou o meu filho sem ele lhe fazer mal e apanha uma pena destas? Isto é justiça? Há justiça em Portugal? Não há“, atira Maria Rodrigues, mãe de Jorge.

O homem acabou por morrer no hospital oito dias depois de ter sido barbaramente agredido. A vítima tentava proteger um bebé, de cinco meses, e a mãe do companheiro agressor. Visivelmente revoltada, a idosa lembra que por “qualquer roubo pequeno que se faça passam-se quatro anos na cadeia. Uma morte destas são quatro anos em liberdade“.

A pena aplicada pelo coletivo a João Almeida, de 54 anos, fica suspensa na condição de pagar 300 euros de três em três meses à família da vítima durante a pena. No total terá ainda de pagar uma indemnização de 50 mil euros aos pais de Jorge Mendes e quase 30 mil euros à filha menor, que presenciou tudo. “Nem esperava por nada. O que queria era que fosse castigado e cumprisse pena na cadeira”, explica Maria Rodrigues.

Juiz considera crime «muito grave»

  1. O coletivo de juízes considerou provados os factos, ocorridos a 23 de novembro de 2019, condenado o arguido por ofensas à integridade física grave, agravada por ter resultado em morte. Durante a leitura do acórdão, o juiz lembrou que o caso “é muito grave“, mas o coletivo entendeu que “deveria ser concedida uma última oportunidade” a João Almeida.

Vítor Gaspar, advogado da família da vítima, esperava uma pena de prisão efetiva, “mas o tribunal valorizou o facto de ter havido uma luta entre ambos”. Tal como escreve o CM, o advogado adiantou ainda que só após análise minuciosa ao acórdão decidirá se recorre ou não da decisão.

LEIA AINDA
«Vamos matar-te, antes 50 anos de prisão do que uma filha lésbica», diz mãe de jovem
«Vamos matar-te, antes 50 anos de prisão do que uma filha lésbica», diz mãe de jovem homossexual
“Se voltares vamos matar-te. Antes 50 anos de prisão do que uma filha lésbica” ou “antes uma filha viciada em drogas do que uma lésbica”, foram algumas mensagens que a jovem recebeu dos pais. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS