Pedida pena de prisão suspensa de três anos para motorista português em acidente em França

O Ministério Público francês solicitou hoje uma pena de prisão suspensa de três anos para o motorista português que guiava o autocarro que se despistou em 2017, numa estrada em França, matando quatro portugueses e ferindo outros 28.

Pedida pena de prisão suspensa de três anos para motorista português em acidente em França

Pedida pena de prisão suspensa de três anos para motorista português em acidente em França

O Ministério Público francês solicitou hoje uma pena de prisão suspensa de três anos para o motorista português que guiava o autocarro que se despistou em 2017, numa estrada em França, matando quatro portugueses e ferindo outros 28.

A 08 de janeiro de 2017, 32 portugueses residentes na Suíça, de regresso de férias em Portugal, viajavam no autocarro de 40 lugares a caminho de Genebra quando este fugiu da estrada, um eixo que atravessa a França de leste a oeste e que é apelidado de “estrada da morte” devido à sua perigosidade.

O procurador salientou “uma acumulação de culpas pessoais do condutor”, Henrique Beiroto Angelo, um português de 44 anos que tinha sido acusado de homicídio involuntário e de ferimentos involuntários perante o tribunal criminal de Macon (leste de França).

O Ministério Público pediu ainda uma multa de 100.000 euros a cada uma das duas pessoas coletivas: Angelo Taxi e Rota das Gravuras, respetivamente o proprietário do autocarro e a empresa de transportes, que foram processados por homicídio involuntário e lesões involuntárias por pessoas coletivas.

O procurador apontou para “má conduta profissional por parte de pessoas coletivas, com base na má manutenção do autocarro e do reboque”.

Mesmo antes do acidente, o autocarro viajava a quase 90 quilómetros/hora, uma velocidade considerada excessiva por causa do gelo que havia em janeiro. Pouco antes, o veículo viajava a 101 km/h, de acordo com relatórios de peritos.

As análises também destacaram o peso do reboque de bagagem, que teria abrandado a travagem, bem como o excesso de ar dos pneus.

A sentença ficou marcada para o próximo dia 25 de novembro.

O condutor e o seu pai, Narciso Ângelo, o representante legal dos dois arguidos, não estiveram presentes no julgamento.

SMM // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS