PCP critica aumento das despesas militares para a NATO

PCP critica aumento das despesas militares para a NATO

O PCP criticou hoje a disponibilidade revelada pelo Governo português para o aumento das despesas militares no âmbito dos compromissos com a NATO.

“Assume particular gravidade a disponibilidade revelada pelo Governo do PS para o aumento das despesas militares para 1,98% do PIB até 2024 no quadro dos compromissos com a NATO”, referiu Margarida Botelho no decurso de uma declaração na sede central do partido, em Lisboa.

“O Governo português deve cumprir o que está na Constituição da República e assumir de forma muito clara, na União Europeia, na NATO, uma posição de defesa da paz e da soberania dos povos”, assinalou ainda a dirigente comunista, membro da Comissão Política do Comité Central, ao criticar o que definiu como apoio e envolvimento “na estratégia de agressão e ingerência que EUA e União Europeia promovem”.

A declaração foi feita a pretexto da passagem do 73.º aniversário dos ataques nucleares às cidades japoneses de Hiroxima e Nagasáqui, no final da Segunda Guerra Mundial.

A recordação dos ataques nucleares pelos Estados Unidos a Hiroxima e Nagasáqui, em 06 e 09 de agosto de 1945 voltou a ser o pretexto para o PCP recordar que esse acontecimento também remete “para os perigos reais do presente” e a necessidade de intensificar a luta à escala mundial.

“Mas terão de ser os povos do mundo a impor às forças da guerra e agressão imperialista, a defesa da paz e a garantia de que o horror de Hiroxima e Nagasáqui não mais se repetirá”, concluiu a declaração de Margarida Botelho.

No texto, a dirigente comunista começou por recordar que estes dois ataques nucleares constituíram “um dos maiores crimes da história da humanidade” com um balanço final de centenas de milhares de mortos, num contexto em que estava a terminar o conflito mundial com a rendição das potências do Eixo (Alemanha, Itália e Japão), a que sucedeu o período da designada Guerra Fria.

A utilização de armas de destruição massiva — químicas, biológicas, ou à base de urânio empobrecido — utilizadas em posteriores conflitos (guerras da Coreia, do Vietname, Jugoslávia ou Iraque) e “em particular pelo imperialismo norte-americano” também são inseridas na declaração, e justificam um sinal de alerta.

“No aniversário de Hiroxima e Nagasáqui o PCP alerta para os enormes perigos da atual situação mundial, incluindo os perigos de uma confrontação entre as duas maiores potências nucleares do planeta”, disse a dirigente do PCP.

A “escalada militarista e bélica” registada após o fim da União Soviética, as “guerras de agressão do imperialismo” em violação da Carta da ONU e do Direito internacional que “destruíram inúmeros países” ou a “escalada de retórica e de ações hostis” dos EUA e União Europeia contra a Rússia foram também frisados no texto divulgado pela dirigente do PCP.

“Uma Rússia capitalista mas que é vítima, desde o desmantelamento da URSS, de uma sucessão de atos hostis”, numa “escalada de hostilidade” que também se dirige “de forma cada vez mais aberta para a República Popular da China e outros países que se recusam a ser meros vassalos do imperialismo”.

Perante um cenário de “aprofundamento da crise estrutural do capitalismo, da profunda alteração da correlação das forças económicas a nível mundial e do acirrar das contradições e rivalidades em todas as frentes” a declaração sublinha ainda que o “crescente militarismo e belicismo dos EUA, da UE e do seu braço armado, a NATO, representa um enorme perigo para todos os povos e para a paz mundial”.

PCR // EL

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS