Conheça os 6 tipos diferentes de pais e saiba a que categoria você pertence

Conheça os 6 tipos diferentes de pais e saiba a que categoria você pertence

Os pais anseiam que os filhos se tornem pessoas de sucesso e aplicam-se para isso. Mas o que é ser uma pessoa bem-sucedida? Terminar a Faculdade com excelentes notas? Ter um ordenado alto? Um estudo da Universidade Kobe, no Japão (onde a exigência de sucesso é levada ao extremo), tentou perceber a relação entre o estilo de paternidade e o futuro da criança. Os resultados mostram que bons níveis académicos e um rendimentos acima da média nem sempre são sinónimos de uma vida feliz ou, sequer, satisfatória.

A partir de um questionário respondido por 5 mil homens e mulheres, os estudiosos concluíram que filhos de pais rígidos, cuja exigência dos progenitores foi exagerada, alcançavam obtinham alto níveis de escolaridade, mas apresentaram baixos níveis de felicidade.

Conheça os 6 tipos de pais: apoiantes, rígidos, indulgentes, maleáveis, ásperos e médios

Ao contrário, os que receberam cuidados e atenção positivos dos pais tornaram-se tanto bem-sucedidos quanto felizes na vida adulta.

O ESTUDO

Os participantes responderam a um conjunto de questões sobre a vida familiar e classificaram afirmações como «os meus pais confiam em mim» e «a minha família não se interessava em mim».

Com as respostas, os especialistas concentraram-se na análise de quatro pontos diferentes: interesse, confiança, regras e independência. Além disto, levaram em conta o «passar tempo com os pais» e «o sentimento de ser repreendido por eles». Assim, foi criada uma classificação com seis estilos diferentes de pais.

LEIA MAIS: História da bebé abandonada no lixo que estava a ser comida por formigas tem final feliz

1. APOIANTES Criança com níveis altos e médios de independência, altos níveis de confiança, altos níveis de interesse pela criança, muito tempo passado com o filho.

2. RÍGIDOS Baixos níveis de independência, níveis de confiança médio-altos, rígido ou muito rígido, níveis de interesse pela criança médio-baixos, muitas regras.

3. INDULGENTES Níveis médio-altos de confiança, nada rígidos, tempo passado com a criança médio-alto.

4. MALEÁVEIS Baixos níveis de interesse pela criança, nada rígidos, pouco tempo com as crianças, poucas regras.

5. ÁSPEROS Baixos níveis de interesse pela criança, baixos níveis de independência, baixos níveis de confiança, rígidos.

6. MÉDIOS Níveis médios em todos os fatores analisados.

A partir dessas informações, os especialistas constataram que tanto os filhos de pais rígidos como os filhos de pais apoiantes alcançaram bons níveis académicos e de remuneração.

Por outro lado, ao contrário dos filhos de pais apoiantes, com altos níveis de felicidade, os filhos de pais rígidos apresentaram níveis mais baixos desse sentimento e também mais stress.

Para a psicopedagoga Quezia Bombonatto, «uma criança submetida a exigências constantes pode até ter sucesso académico e profissional, mas isso não quer dizer que ela se sinta realizada». «Cabe aos educadores passarem à criança a crença nos seus valores, estimular o seu potencial e fazê-la acreditar que é capaz.»

LEIA MAIS: Truques de maquilhagem de Cristina Ferreira foram desmascarados

«As regras são boas desde que não sejam paralisantes. É preciso saber até onde elas existem pela disciplina e em que ponto elas se tornam apenas um autoritarismo», explica Quezia Bombonatto.

Entretanto, pais rígidos, apesar de exigirem muitos e bons resultados, não demonstram altos níveis de interesse pelos filhos. Ou seja: a exigência é persistente, mas a criança só recebe atenção nos momentos em que precisa de apresentar resultados.

Isto pode gerar a ideia errada de que, para ter o afeto dos pais, precisa de fazer por merecer; ou seja: atingir metas. «É como dizer ao filho ‘só vais ser amado se fizeres por merecer’», diz.

LEIA MAIS: Bebé de 1 ano espancado por baby-sitter, mas Justiça não pode punir agressora

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Conheça os 6 tipos diferentes de pais e saiba a que categoria você pertence

Os pais anseiam que os filhos se tornem pessoas de sucesso e aplicam-se para isso. Mas o que é ser uma pessoa bem-sucedida? Terminar a Faculdade com excelentes notas? Ter um ordenado alto? Um estudo da Universidade Kobe, no Japão (onde a exigência de sucesso é levada ao extremo), tentou perceber a relação entre o estilo de paternidade e o futuro da criança. Os resultados mostram que bons níveis académicos e um rendimentos acima da média nem sempre são sinónimos de uma vida feliz ou, sequer, satisfatória.