ONU diz que um milhão de crianças estão em risco na província de Idleb, na Síria

ONU diz que um milhão de crianças estão em risco na província de Idleb, na Síria

O Fundo das Nações Unidas para a Infância adiantou que já faltam alimentos, água e medicamentos na província, largamente rural, com cerca de 2,5 milhões de habitantes.

Beirute, 10 ago (Lusa) — A Unicef advertiu hoje que a batalha pela província de Idleb, no noroeste da Síria, pode afetar a vida de mais de um milhão de crianças, muitas das quais vivem em campos de refugiados.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância adiantou que já faltam alimentos, água e medicamentos na província, largamente rural, com cerca de 2,5 milhões de habitantes, entre os quais dezenas de milhares de rebeldes e de civis transferidos em massa a partir de bastiões de rebeldes reocupados pelo regime após sangrentas ofensivas.

A ONU pressionou na quinta-feira a comunidade internacional para que se chegue a acordos para impedir “um banho de sangue” na província, depois de as forças do regime sírio terem começaram a bombardear posições rebeldes e ‘jihadistas’ em Idleb para um assalto à província, a última quase totalmente fora do controlo de Damasco.

A Unicef indicou que a batalha por Idleb irá agravar uma situação humanitária que já é difícil e desalojará potencialmente cerca de 350.000 crianças.

“Esta guerra não deve terminar com um banho de sangue, mas através de acordos”, declarou Jan Egeland, conselheiro do mediador da ONU para a Síria, num encontro na quinta-feira com a imprensa em Genebra.

“São precisas negociações, são precisos acordos”, insistiu, exortando os três países garantes das negociações de Astana — Rússia, Irão e Turquia — mas também os países ocidentais e os do Golfo a encontraram soluções.

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, advertiu recentemente que aquela província constitui uma das prioridades do seu exército.

PAL // VM

By Impala News / Lusa


RELACIONADOS

ONU diz que um milhão de crianças estão em risco na província de Idleb, na Síria

O Fundo das Nações Unidas para a Infância adiantou que já faltam alimentos, água e medicamentos na província, largamente rural, com cerca de 2,5 milhões de habitantes.