Mulher que matou ex-companheira à facada no Porto condenada a 18 anos de prisão

O tribunal criminal de São João Novo, no Porto, condenou hoje a 18 anos de prisão uma mulher que matou a sua ex-esposa com 12 facadas numa rua daquela cidade, em março de 2021.

Mulher que matou ex-companheira à facada no Porto condenada a 18 anos de prisão

Mulher que matou ex-companheira à facada no Porto condenada a 18 anos de prisão

O tribunal criminal de São João Novo, no Porto, condenou hoje a 18 anos de prisão uma mulher que matou a sua ex-esposa com 12 facadas numa rua daquela cidade, em março de 2021.

O tribunal criminal de São João Novo, no Porto, condenou hoje a 18 anos de prisão uma mulher que matou a sua ex-esposa com 12 facadas numa rua daquela cidade, em março de 2021.

A arguida foi condenada pela prática de um crime de homicídio qualificado e outro de violência doméstica nas penas de 17 anos e dois anos e meio, respetivamente. Daqui resultou o cúmulo jurídico de 18 anos de reclusão. A arguida foi condenada também a pagar uma indemnização de 25 mil euros à mãe da vítima.

Ao ler a decisão do caso, o presidente do coletivo de juízes, Pedro Menezes, disse que “não há razões para afastar a especial censurabilidade” da conduta da arguida. “Foi um ato de puro egoísmo. Espero que o tempo que vai passar na prisão a faça refletir no seu erro”, observou, dirigindo-se à mulher condenada.

Vítima tinha 25 anos

A vítima, de 25 anos e funcionária de uma cadeia de ‘fast-food’, foi atacada às 06:35 de 13 de março de 2021 na rua Benjamim Gouveia, no Porto, quando se deslocava para o seu posto de trabalho. Foi atingida com 12 golpes de faca no tórax, costas, braços e pescoço. A arguida agiu inconformada com o divórcio de ambas, após um casamento alegadamente marcado por frequentes episódios de violência doméstica. Em julgamento, a arguida pediu perdão pelo homicídio da ex-esposa, declarando-se arrependida .“Não era este o desfecho que queria”, assegurou.

Polícias envolvidos na investigação do caso contaram que a arguida se entregou numa esquadra depois de cometer o crime, dizendo achar que tinha matado uma pessoa. As testemunhas contaram que a arguida apresentava a roupa ensanguentada e os olhos inflamados por ação de gás pimenta, que foi lançado, segundo os agentes, pela vítima na tentativa de travar o ataque de que estava a ser alvo. Nas alegações finais, em janeiro, o Ministério Público pediu a condenação da arguida a 18 anos de prisão A defesa admitiu apenas uma condenação por homicídio por negligência.

LEIA DEPOIS

Clientes encontram números da Vodafone gravados nos telemóveis

Impala Instagram


RELACIONADOS