Mulher obrigada a rastejar para sair de avião depois exigirem que pagasse por uma cadeira de rodas

Uma mulher com incapacidade física foi obrigada a rastejar para sair de um avião depois de lhe terem pedido dinheiro para utilizar uma cadeira de rodas.

Mulher obrigada a rastejar para sair de avião depois exigirem que pagasse por uma cadeira de rodas

Mulher obrigada a rastejar para sair de avião depois exigirem que pagasse por uma cadeira de rodas

Uma mulher com incapacidade física foi obrigada a rastejar para sair de um avião depois de lhe terem pedido dinheiro para utilizar uma cadeira de rodas.

Uma mulher que viajava num voo da Jetstar foi obrigada a rastejar pelo corredor de modo a conseguir abandonar de um avião. A situação aconteceu em Banguecoque, na Tailândia, depois de a equipa aérea ter informado a passageira de que teria de pagar para ter acesso a uma cadeira de rodas.

Concurso de miss acaba com cenas de pancadaria [vídeo]
A eleição da Miss Sri Lanka, que decorreu nos Estados Unidos da América, acabou com cenas de pancadaria e homens e mulheres a trocarem socos e pontapés (… continue a ler aqui)

Explica Natalie Curtis, de Queensland, Austrália, que lhe foi oferecida uma cadeira de rodas especial, com as medidas necessárias para circular nos corredores da aeronave. Esta informação foi prestada no momento de embarque no voo de Singapura para Banguecoque. Só no momento do desembarque é que foi mencionado que este serviço teria custo adicional. “Realmente não entendi e fiquei tipo: ‘não, não vou pagar para poder sair do avião”, diz Natalie ao Daily Mail. “Foi extremamente humilhante”, acrescenta. Natalie, que utiliza uma cadeira de rodas desde o ensino secundário, estava acompanhada por uma amiga. Sò que Natasha Elford tinha o joelho magoado, o que impediu que pudesse ajudar a amiga. “Fisicamente não conseguia levantá-la. Senti-me sem esperanças e não conseguia acreditar naquilo que estava a acontecer”, refere ao mesmo jornal.

“Foi extremamente humilhante”

A polémica está a ter eco em todo o mundo e levou a empresa a reagir. A Jetstar já fez saber que não é política da empresa cobrar este tipo de serviço no momento do embarque ou desembarque dos aviões da companhia. “Pedimos desculpa à senhora Curtis pela sua experiência enquanto viajava connosco”, explica através de comunicado. É ainda referido que será aberta uma investigação com carácter de urgência.

Texto: Bruno Seruca; Fotos: DR

Impala Instagram


RELACIONADOS