Mulher mata o filho para o pai não ficar com a guarda

A mulher estava divorciada e o ex-marido tinha conseguido a custódia da criança há três dias.

Mulher mata o filho para o pai não ficar com a guarda

Mulher mata o filho para o pai não ficar com a guarda

A mulher estava divorciada e o ex-marido tinha conseguido a custódia da criança há três dias.

Ana Maria de 38 anos é suspeita de ter matado o filho de sete anos por estrangulamento em El Ejido, Espanha. A mulher estava divorciada e o ex-marido tinha conseguido a custódia da criança há três dias.

LEIA DEPOIS

Avião destravado desliza até zona de terra no Aeroporto do Porto

Em setembro, o pai denuncio a falta de atenção da mãe em relação ao filho

Segundo o jornal espanhol El País, o ex-casal estava separado há três anos. Em setembro de 2019, o pai denunciou a falta de atenção da mãe em relação ao menor e pediu a guarda do filho. O homem alega que quando a criança estava com a mulher «não ia à escola, não comia bem e não estava cuidado devidamente, [apresentava] falta de higiene». O Julgado de Violência Contra a Mulher de Almería decretou esta segunda-feira, 7 de outubro, que o menino ficaria à guarda do pai.

Mulher conduziu até à casa de um familiar com o filho morto no carro

Três dias depois, a Guarda Civil foi chamada de emergência a El Ejido. Ana Maria terá conduzido até à casa de um familiar e quando chegou terá pedido ajuda para tirar o filho do carro. A criança apresentava ferimentos na boca e hematomas no pescoço e o familiar terá chamado os meios de socorro. A mulher tentou fugir, mas acabou por ser intercetada pelas autoridades.

«Ou é meu ou não é de mais ninguém»

«Tinha medo de ficar sem o filho e sem teto», revelaram familiares, citados pelo jornal «El País». «Andava perdida», afirmaram, fazendo referência a problemas psicológicos nos últimos meses. Uma das amigas afirmou que Ana Maria dizia muitas vezes: «Ou é meu ou não é de mais ninguém».

LEIA MAIS

Previsão do tempo para domingo, 13 de outubro

Impala Instagram


RELACIONADOS