Mulher descobre que tem cancro da mama durante visita a museu

Gill explica que achou estranho a «mancha de calor», que detetou no seio esquerdo, quando olhou «para toda a gente» e percebeu que só ela é que tinha aquela mancha.

Mulher descobre que tem cancro da mama durante visita a museu

Mulher descobre que tem cancro da mama durante visita a museu

Gill explica que achou estranho a «mancha de calor», que detetou no seio esquerdo, quando olhou «para toda a gente» e percebeu que só ela é que tinha aquela mancha.

Bal Gill de 41 anos fez uma viagem com a família, em maio deste ano, até à Escócia e, durante uma visita ao museu Camera Obscura and World of Illusions, descobriu que sofre de cancro da mama. A mulher passou por uma câmara térmica e percebeu que existia uma mancha de calor na mama esquerda.

LEIA DEPOIS

Suicídio mata mais no mundo do que cancro

Mulher conta história numa carta de agradecimento ao museu

«Tínhamos ido ao Castelo de Edimburgo e no caminho de volta vimos um museu. Enquanto entravamos passamos por uma sala com uma câmara térmica. Tal como todas as famílias fazem, começamos a abanar os nossos braços e a ver as imagens criadas», começa por explicar Bal Gill, numa mensagem que enviou à organização do museu. Gill explica que achou estranho a «mancha de calor», que detetou no seio esquerdo, quando olhou «para toda a gente» e percebeu que só ela é que tinha aquela mancha. «Tirei uma fotografia, continuei e aproveitei o resto do museu.»

Quando regressou a casa, Bal Gill foi pesquisar o significado da mancha

Quando regressou a casa, a norte-americana decidiu pesquisar o significado daquela mancha. «Vi muitos artigos sobre cancro da mama e câmaras térmicas. Marquei uma consulta no médico e descobri que tinha mesmo cancro da mama.» Bal Gill detetou o cancro ainda numa fase inicial e vai ser submetida a uma terceira cirurgia.

«Apenas quero agradecer: sem aquela câmara, nunca teria sabido. Percebo que este não é o objetivo da câmara, mas para mim foi mesmo uma visita que mudou a minha vida. Não consigo descrever como a Câmara Obscura mudou a minha vida», agradeceu numa carta enviada para o museu.

Radiologista explica que estas máquinas não são o exame usado para detetar o carcinoma

«É um caso de muita sorte. As imagens de câmaras térmicas podem revelar a presença de uma área de temperatura mais elevada mas não é o exame usado para diagnosticar o carcinoma», explica a radiologista Maura Tonutti ao jornal Il Fatto Quotidiano.

LEIA MAIS

Mudança da hora ligada à «predisposição para o cancro»

Impala Instagram


RELACIONADOS