Moçambique/Ataques: PR Nyusi considera “desafio complexo” manter áreas reconquistadas

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, considerou hoje um “desafio complexo” a manutenção e consolidação das posições recuperadas dos grupos armados que atuam na província de Cabo Delgado, norte do país, mostrando “agrado” com os progressos na frente de combate.

Moçambique/Ataques: PR Nyusi considera

Moçambique/Ataques: PR Nyusi considera “desafio complexo” manter áreas reconquistadas

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, considerou hoje um “desafio complexo” a manutenção e consolidação das posições recuperadas dos grupos armados que atuam na província de Cabo Delgado, norte do país, mostrando “agrado” com os progressos na frente de combate.

“O desafio de manter e consolidar a retaguarda tem-se revelado mais complexo, daí a necessidade de mais atenção e rigor”, declarou Nyusi.

O chefe de Estado moçambicano falava durante o lançamento oficial da Força em Estado de Alerta da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), hoje na cidade de Pemba, capital de Cabo Delgado.

Filie Nyusi assinalou hoje a reconquista da vila portuária de Mocímboa da Praia e de várias “posições avançadas” dos grupos armados que atuam no norte de Moçambique, reiterando o compromisso de eliminação “do terrorismo e do extremismo violento”.

“O controlo da vila-sede de Mocímboa da Praia e retorno gradual de circulação entre Palma e Mocímboa da Praia é o produto da bravura e entrega da força conjunta, com vista a devolver rapidamente a estabilidade na região”, afirmou o Presidente moçambicano.

A Força em Estado de Alerta da SADC, em cooperação com as FDS moçambicanas e o contingente militar do Ruanda, devem impedir o retorno dos grupos armados às zonas de onde foram expulsos, acrescentou.

“Nos últimos dias, temos estado a receber, com agrado, as notícias de progressão, com sucesso, das nossas forças que combatem juntamente com os nossos irmãos do Ruanda”, afirmou o chefe de Estado moçambicano.

O gabinete da Presidência da República de Moçambique avançou no domingo, em comunicado, que o contingente militar da SADC integra as forças de defesa e segurança da África do Sul, Botsuana, Angola, Lesotho e Tanzânia, nas especialidades de forças terrestres, navais, aéreas, informações, logística, entre outras.

Não é publicamente conhecido o número de militares que a organização enviou a Moçambique, mas peritos da SADC, que estiveram em Cabo Delgado, já tinham avançado em abril que a missão deve ser composta por cerca de três mil soldados. 

As FDS moçambicanas contam, desde o início de julho, com o apoio de mil militares e polícias do Ruanda para a luta contra os grupos armados, no quadro de um acordo bilateral entre o Governo moçambicano e as autoridades de Kigali. 

O Ministério da Defesa de Moçambique confirmou no domingo a reconquista da vila de Mocímboa da Praia pelas forças conjuntas moçambicanas e ruandesas, avançando que os combates continuam para a “consolidação das zonas que prevalecem críticas”.

“As forças conjuntas de Moçambique e Ruanda controlam a vila de Mocímboa da Praia, desde as 11:00 [10:00 de Lisboa] de 08 de ago de 2021”, declarou o porta-voz do Ministério da Defesa de Moçambique, Omar Saranga, em conferência de imprensa.

Antes, o Ministério da Defesa do Ruanda já tinha anunciado num tweet a recuperação da vila portuária de Mocímboa da Praia, numa operação conjunta com as FDS moçambicanas.

Grupos armados aterrorizam a província de Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Na sequência dos ataques, há mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

 

PMA // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS