Moçambique/Ataques: ONU disponibiliza-se para ajudar a investigar suspeitas de massacres

A Organização das Nações Unidas (ONU) disponibilizou-se hoje a ajudar Moçambique na investigação de suspeitas de alegados massacres no norte do país, perpetrados por elementos ‘jihadistas’, mas avisou que cabe a Maputo a “responsabilidade de proteger os seus cidadãos”.

Moçambique/Ataques: ONU disponibiliza-se para ajudar a investigar suspeitas de massacres

Moçambique/Ataques: ONU disponibiliza-se para ajudar a investigar suspeitas de massacres

A Organização das Nações Unidas (ONU) disponibilizou-se hoje a ajudar Moçambique na investigação de suspeitas de alegados massacres no norte do país, perpetrados por elementos ‘jihadistas’, mas avisou que cabe a Maputo a “responsabilidade de proteger os seus cidadãos”.

Em resposta à agência Lusa, Stéphane Dujarric, porta-voz de António Guterres, secretário-geral da ONU, disse que a organização está “sempre pronta a ajudar, se for solicitado”, sublinhando que a iniciativa de investigação e pedido de ajuda tem de partir do Governo de Moçambique.

“É responsabilidade das autoridades nacionais investigar o incidente. Elas têm as principais responsabilidades, tal como a responsabilidade de proteger os seus cidadãos, como qualquer Estado-membro”, disse Stéphane Dujarric, durante uma conferência de imprensa em Nova Iorque.

Na noite de terça-feira (quarta-feira em Lisboa e Maputo), o secretário-geral da ONU, António Guterres, mostrou-se “chocado” com os “recentes relatos de massacres perpetrados por grupos armados não estatais em várias aldeias na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, incluindo a decapitação e rapto de mulheres e crianças”.

Stephane Dujarric esclareceu hoje que a ONU tem “informações de fontes no terreno” e acrescentou que a equipa em Moçambique está “muito atenta à situação” de múltiplos ataques na província de Cabo Delgado, apesar de não ter ainda dados concretos sobre vítimas.

A declaração divulgada na terça-feira pela ONU instava as autoridades de Moçambique a conduzir uma investigação sobre os incidentes e a responsabilizar os autores dos alegados massacres, apelando a “todas as partes em conflito que cumpram as suas obrigações ao abrigo do direito internacional humanitário e dos direitos humanos”.

De acordo com relatórios de campo pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês), múltiplos ataques relatados em diferentes partes da província de Cabo Delgado nas últimas semanas deixaram dezenas de pessoas mortas e forçaram centenas de pessoas a fugir de suas casas.

Vários órgãos de comunicação moçambicanos, portugueses e internacionais relataram um massacre perpetrado pelo grupo terrorista Estado Islâmico, no final da semana passada, em Cabo Delgado, com início na aldeia de Nanjaba.

A província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, é palco há três anos de ataques armados desencadeados por forças classificadas como terroristas e que se intensificaram este ano.

Há diferentes estimativas para o número de mortos, que vão de 1.000 a 2.000 vítimas. Segundo dados oficiais, há, pelo menos, 435 mil deslocados internos.

A capital de Cabo Delgado, Pemba, está desde meados de outubro a receber uma nova vaga de deslocados, que viajam em barcos precários.

As vítimas da violência na região rica em gás natural têm-se espalhado por outras regiões, nomeadamente as vizinhas províncias de Niassa e Nampula, mas as autoridades locais já têm oferecido ajuda a famílias refugiadas que chegam mais a sul, nomeadamente à Zambézia e Sofala.

EYL (PMA/EYAC) // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS