Milhares de marroquinos manifestam-se contra plano dos EUA para o Médio oriente

Vários milhares de pessoas protestaram em Rabat contra o plano do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de resolver o conflito entre israelitas e palestinianos, e pediram um boicote aos produtos norte-americanos.

Milhares de marroquinos manifestam-se contra plano dos EUA para o Médio oriente

Milhares de marroquinos manifestam-se contra plano dos EUA para o Médio oriente

Vários milhares de pessoas protestaram em Rabat contra o plano do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de resolver o conflito entre israelitas e palestinianos, e pediram um boicote aos produtos norte-americanos.

Agitando bandeiras palestinianas, os manifestantes marcharam pelo centro da capital, gritando “Viva a Palestina”, indica a agência AFP.

A multidão, incluindo simpatizantes islâmicos, sindicalistas e figuras da vida política local, apelou para o “boicote dos produtos norte-americanos”, considerados “inimigos da paz”.

“Não à normalização”, “Não ao apoio à nação sionista”, gritaram os manifestantes, tendo alguns queimado no local uma bandeira israelita.

Os manifestantes exibiram também uma faixa de pano onde se lia: “A Palestina não está à venda!”

O plano norte-americano, divulgado em 28 de janeiro por Donald Trump, pretende tornar Jerusalém a “capital indivisível” de Israel, a anexação de colónias judaicas na Cisjordânia ocupada e a criação de um estado palestiniano desmilitarizado naquilo que permaneceria na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Este plano, considerado muito favorável a Israel, já foi rejeitado pelos palestinianos.

A manifestação surge depois de o ministro das Relações Exteriores de Marrocos, Nasser Bourita, ter declarado que “aprecia os esforços construtivos de paz empreendidos pela atual administração dos EUA para alcançar uma solução justa, duradoura e equitativa no Médio Oriente “.

Tal posição foi o reiterar da posição tradicional de Rabat em favor de um estado palestiniano com Jerusalém Oriental como capital.

Questionado na terça-feira passada por um deputado, Nasser Bourita replicou que não se deve ser “mais palestiniano do que os próprios palestinianos”, segundo relataram os media locais.

Estas palavras do ministro causaram polémica num país onde a causa palestiniana goza de amplo apoio popular.

Após perguntas sobre a posição marroquina, o chefe da diplomacia marroquina reuniu-se com o presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, no sábado, em Amã, para reafirmar a posição de Marrocos na questão palestiniana, indicou Rabat.

Nasser Bourita manteve também um encontro com seu colega jordano, Ayman Safadi, sendo que os dois países partilham as mesmas posições e princípios sobre a questão palestiniana, segundo um comunicado do ministério jordano.

Marrocos não mantém relações diplomáticas com Israel desde o encerramento do escritório de ligação israelita em Rabat, em 2000.

FC // HB

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS