Membros de claques de futebol detidos por «crimes monstruosos»

A polícia sérvia efetuou esta quinta-feira buscas nos dois maiores clubes de futebol do país após a detenção de 17 pessoas com ligações a grupos de adeptos acusados de crime organizado, tráfico de droga e homicídio.

Membros de claques de futebol detidos por «crimes monstruosos»

Membros de claques de futebol detidos por «crimes monstruosos»

A polícia sérvia efetuou esta quinta-feira buscas nos dois maiores clubes de futebol do país após a detenção de 17 pessoas com ligações a grupos de adeptos acusados de crime organizado, tráfico de droga e homicídio.

A polícia sérvia efetuou esta quinta-feira buscas nos dois maiores clubes de futebol do país após a detenção de 17 pessoas com ligações a grupos de adeptos acusados de crime organizado, tráfico de droga e homicídio.

Uma equipa da polícia de intervenção fortemente armada ordenou a todos os funcionários dos estádios do Partizan e do Estrela Vermelha em Belgrado que abandonassem as instalações, enquanto os treinos eram suspensos no decurso da operação.

A polícia disse que os detidos “se escondiam por detrás” de um grupo de apoiantes do Partizan de Belgrado, mas são “responsáveis por uma série de crimes monstruosos” cometidos nos últimos dez anos. “Não são adeptos do futebol, são criminosos”, disse o comandante da polícia, Ninoslav Cmolic

Os media sérvios informaram que o chefe da claque do Partizan, Veljko Belivuk, se encontra entre os detidos, numa operação que decorreu durante a noite. Belivuk, também conhecido por Velja Nevolja, tem sido frequentemente relacionado com atividades criminosas, mas terá conseguido escapar à justiça devido às suas ligações com políticos. Foi indiciado, mas nunca condenado pelo assassínio em 2015 de um adepto do rival Estrela Vermelha numa discoteca de Belgrado e foi, alegadamente, detido quando tentava queimar um carro utilizado numa recente “atividade criminal”.

O ministro do Interior, Aleksandar Vulin, disse que a Sérvia “é um país sério que não tolerará o surgimento de um outro grupo criminal que pensa ser mais poderoso do que o Estado”.

Mais de uma dezena de membros destacados de claques dos clubes de futebol foram assassinados nos últimos anos. A maioria foi morta em circunstâncias associadas à prática de crimes cometidos por gangues.

A Sérvia, e também a Croácia, registam uma tradição de ‘hooliganismo‘ que se acentuou com o fim violento da Jugoslávia. No decurso das guerras da década de 1990 muitos membros de claques juntaram-se a grupos paramilitares acusados de crimes contra outros grupos nacionais.

Com o regresso dos conservadores nacionalistas ao poder na Sérvia há oito anos, muitos adeptos de claques conotados com a direita radical intensificaram as suas ações, enquanto diversos analistas indicam que os ‘hooligans’ continuaram a promover as suas atividades ilegais.

LEIA MAIS
sobre Desporto aqui

Impala Instagram


RELACIONADOS