Lisboa quer envolvimento de outros membros da UE no apoio a Maputo

O secretário de Estado Francisco André pediu hoje, em Cabo delgado, o envolvimento de outros países da UE no apoio a Moçambique face à violência armada no Norte daquele país africano.

Lisboa quer envolvimento de outros membros da UE no apoio a Maputo

Lisboa quer envolvimento de outros membros da UE no apoio a Maputo

O secretário de Estado Francisco André pediu hoje, em Cabo delgado, o envolvimento de outros países da UE no apoio a Moçambique face à violência armada no Norte daquele país africano.

Maputo, 03 jul 2021 (Lusa) – O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação português, Francisco André, pediu hoje, em Cabo delgado, o envolvimento de outros países da União Europeia (UE) no apoio a Moçambique face à violência armada no Norte daquele país africano.

“Moçambique e esta região em concreto estão neste momento a precisar de ajuda. São centenas de milhares de deslocados, em tempo de pandemia, e isso só se resolve com a atuação de todos. Portanto, era muito importante que outros estados europeus e fora da Europa se juntassem a nós neste esforço para ajudar as populações do país”, declarou Francisco André.

Aquele responsável falava à comunicação social no Aeroporto Internacional de Pemba, no âmbito da chegada do primeiro avião de três que vão garantir a ponte aérea humanitária da UE para apoiar as populações afetadas pela violência armada em Cabo Delgado.

Para Francisco André, a chegada do primeiro voo humanitário, organizado por Portugal e Itália, reflete a solidariedade dos povos daqueles países europeus para com a situação das populações afetadas pela violência em Cabo Delgado.

“É muito importante para o Governo português estar aqui a assinalar a chegada deste voo, sobretudo no final de um trimestre em que Portugal esteve em frente dos destinos da presidência do Conselho da União Europeia e que trabalhou bastante para colocar Moçambique como uma prioridade para política externa”, declarou Francisco André.

Segundo o governante português, o apoio de Bruxelas a Moçambique pretende combinar várias vertentes, com destaque para a capacitação da juventude em Cabo Delgado e a formação militar de forças governamentais face às incursões de grupos rebeldes no norte daquela província.

“Isto mostra bem a mobilização que Portugal coloca para o apoio a Moçambique no plano europeu, além do apoio bilateral. Temos estado presentes desde a primeira hora e vamos continuar a reforçar o apoio”, frisou.

A ponte aérea humanitária da UE para Pemba, norte de Moçambique, transportará perto de 15 toneladas de “equipamento que salva-vidas” e que visa “responder a necessidades humanitárias urgentes”.

Os bens e equipamentos provém de contribuições específicas da Itália, de organizações como a Sant´Egídio, Oikos, Cuamm e, de Portugal, pela Unidade de Apoio Geral de Material do Exército, da CVP, Caritas e Tese.

O segundo voo da ponte aérea é esperado no domingo em Pemba, enquanto o terceiro chega no dia 09.

O secretário de Estado da província de Cabo Delgado agradeceu pelo apoio da UE, pedindo também o envolvimento de outros países, tendo em conta que “há muitas necessidades” face ao aumento do número de deslocados.

“Nós temos várias necessidades, sobretudo nas populações deslocadas. Elas estão a sair das suas terras de origem, não têm condições básicas de sobrevivência, alimentação nem abrigo”, declarou António Supeia.

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo rebelde Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes segundo o projeto de registo de conflitos ACLED e 732.000 deslocados de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

O estabelecimento de pontes aéreas humanitárias pela União Europeia foi uma prática utilizada recorrentemente pelo bloco durante a pandemia: segundo estatísticas da Comissão, em 2020 foram operados 67 voos para 20 países através deste mecanismo, o que permitiu fornecer “mais de 1.150 toneladas de equipamento humanitário e médico vital”.

O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação português vai trabalhar em Moçambique até o dia 07 e, além de visitar Cabo Delgado, tem previstos encontros com membros do Governo na capital moçambicana, reuniões que vão preparar a próxima cimeira bilateral, bem como a negociação do próximo Programa Estratégico de Cooperação 2022-2026.

Durante a visita, será também “assinalada a chegada do primeiro lote de vacinas contra a covid-19” doadas por Portugal a Moçambique, segundo uma nota divulgada pelo gabinete secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação português.

EYAC/RYCE // PJA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS