Ilhor Homeniuk morreu «de asfixia lenta», garante perito

O perito que realizou a autópsia a Ihor Homeniuk declarou em julgamento que o relatório final da autópsia “conclui com segurança” que o ucraniano “morreu de asfixia lenta” provocada por várias fraturas nas costelas.

Ilhor Homeniuk morreu «de asfixia lenta», garante perito

Ilhor Homeniuk morreu «de asfixia lenta», garante perito

O perito que realizou a autópsia a Ihor Homeniuk declarou em julgamento que o relatório final da autópsia “conclui com segurança” que o ucraniano “morreu de asfixia lenta” provocada por várias fraturas nas costelas.

Carlos Durão, perito que realizou a autópsia a Ihor Homeniuk declarou no julgamento desta quarta-feira, 03 de março, que o relatório final da autópsia “conclui com segurança” que o ucraniano “morreu de asfixia lenta” provocada por várias fraturas nas costelas.

“A causa da morte é asfixia. Não tenho dúvidas“, garantiu. Adianta que, ainda antes de iniciar a autópsia, alertou a Polícia Judiciária porque “pela análise externa percebeu que algo não estava bem”, explicando “não era possível” haver “morte natural” naquele caso.

O médico excluiu ainda a possibilidade de Ihor Homeniuk ter morrido como resultado das manobras de reanimação cardíaca a que foi sujeito pelas equipas do INEM no aeroporto.

Carlos Durão foi perentório em afirmar que houve infiltrações hemorrágicas nos pulmões de Ihor Homeniuk devido à fratura de costelas provocadas por forças externas, assinalando que havia sinais claros de “calçado” no corpo da vítima.

Fraturas visíveis a olho nu

Explicou que não foi necessário tirar radiografias ao corpo para comprovar as fraturas nas costelas porque estas eram bastante visíveis a olho nu, insistindo que as fraturas foram causadas por “pessoas externas”.

No total, terão sido detetadas oito costelas fraturadas, o que, segundo o perito, dificultava a respiração de Ihor, tanto mais que este terá permanecido durante horas algemado e deitado de barriga para baixo, o que acentuava e potenciava a dificuldade em respirar.

Carlos Durão argumenta que as fraturas causaram uma “instabilidade torácica” que o levaram à morte, não podendo precisar quantas horas seria preciso para que isso fosse fatal. Acrescenta que a morte de Ihor Homeniuk resultou de “causa violenta“.

Morte por «aspiração do vómito» descartada

O perito disse ainda não ter detetado lesões na língua da vítima, afastando a possibilidade de este ter morrido por “aspiração do vómito“, porque não havia sinais disso na traqueia.

Durante a sessão foram ainda ouvidos dois inspetores do SEF que relataram pormenores relacionados com os acontecimentos que antecederam a morte do passageiro ucraniano.

Três inspetores do SEF – Duarte Laja, Luís Silva e Bruno Sousa – estão acusados de homicídio qualificado de Ihor, punível com penas até 25 anos de prisão.

O crime terá ocorrido a 12 de março de 2020, dois dias após ter sido impedido de entrar em Portugal, alegadamente por não ter visto de trabalho. Após ser espancado, terá sido deixado no chão, manietado, a asfixiar lentamente até à morte.

Dois dos inspetores respondem ainda pelo crime de posse de arma proibida (bastão).

LEIA AINDA
Cardiologistas querem receita renovável para medicamentos anticoagolantes orais diretos
Homem dado como morto não tem acesso a medicamentos
Mário Silva descobriu que tinha sido dado como morto pelo SNS quando o médico de família lhe tentou prescrever uma receita e o sistema não permitiu, apresentado o homem como “utente falecido”. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS