Polícia descobre igreja que funcionava como casa de prostituição

Polícia descobre igreja que funcionava como casa de prostituição

A polícia de Nashville, Estados Unidos, descobriu que uma igreja da cidade funcionava como casa de prostituição.

Operação policial descobre que uma igreja funcionava, afinal, como casa de prostituição. O templo seria apenas uma fachada para a prática da mais velha profissão do mundo.

LEIA MAIS: Jovens assassinados por Polícia durante transmissão em direto [vídeo]

Após várias queixas de vizinhos da igreja, localizada na aparentemente pacata cidade de Nashville, nos Estados Unidos da América, a Polícia resolveu intervir e fez a descoberta insólita.

Esquema de corrupção e prostituição

Disfarçados de clientes, os agentes da polícia entraram na igreja e encontram várias pessoas numa enorme orgia. Um esquema de corrupção e prostituição foi descoberto no local, envolvendo inclusive atividade sexual com menores.

LEIA MAIS: Trio de amantes apanhado a fugir por janela de motel [vídeo]

No templo, foram descobertos vários quartos utilizados para sexo em grupo, adereços e utensílios sexuais e vídeos pornográficos. Todas as pessoas presentes na igreja foram levadas para a esquadra e estão a ser alvo de investigação.

TAMBÉM LHE PODE INTERESSAR
Casa Pia – E Agora? | Grande Reportagem: Megaprocesso ou erro tremendo? [vídeo]

E se o Processo de pedofilia na Casa Pia tivesse sido um erro? ‘Arrependidos’ desmentem depoimentos, afirmam terem sido pagos para mentir e revelam ameaças de morte.

«Pai, és inocente de tudo quanto te acusam?» [Marta Cruz, filha de Carlos Cruz]
Na passada terça-feira, 26 de junho, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) deu em parte razão ao apresentador Carlos Cruz. Para os juízes daquela instância supranacional, a aplicação da Justiça no processo Casa Pia falhou.

O TEDH concluiu que o Tribunal da Relação de Lisboa devia ter aceitado as novas provas apresentadas por Carlos Cruz no recurso. O que não aconteceu.

«Estão a lançar junto dos miúdos nomes falsos, com algumas ‘notazitas’ à mistura. Não são precisas muitas», Catalina Pestana

Entre estas novas provas estavam, por exemplo, a admissão de Teresa Costa Macedo de que mentiu no ‘lançamento’ do caso Casa Pia. Foi, aliás, condenada por «crimes de falsidade de testemunho no julgamento do processo Casa Pia».

A antiga secretária de Estado para a Família entre 1980 e 1983, com a tutela da maior instituição de acolhimento do País, não tinha identificado Carlos Cruz , como dissera, em fotografias de relatórios que guardara desde aqueles anos da década de 1980.

Veja esta grande reportagem, no vídeo que está a levantar polémica junto de toda a sociedade, AQUI.


RELACIONADOS