Iémen: Coligação ataca Sanaa e Hodeidah em resposta a ação militar em Jeddah – agência

A coligação liderada por Riade realizou ataques aéreos no Iémen “contra fontes de ameaça em Sanaa e Hodeidah”, em resposta às ações dos rebeldes iemenitas na Arábia Saudita.

Iémen: Coligação ataca Sanaa e Hodeidah em resposta a ação militar em Jeddah - agência

Iémen: Coligação ataca Sanaa e Hodeidah em resposta a ação militar em Jeddah – agência

A coligação liderada por Riade realizou ataques aéreos no Iémen “contra fontes de ameaça em Sanaa e Hodeidah”, em resposta às ações dos rebeldes iemenitas na Arábia Saudita.

Riade, 26 mar 2022 (Lusa) – A coligação liderada por Riade realizou ataques aéreos no Iémen “contra fontes de ameaça em Sanaa e Hodeidah”, em resposta às ações dos rebeldes iemenitas na Arábia Saudita, noticiou hoje a agência de notícias oficial saudita.

“A operação militar vai continuar até que os objetivos sejam alcançados”, acrescentou a SPA, que citou a coligação, numa mensagem difundida na rede social Twitter.

Na sexta-feira, o movimento rebelde iemenita Huthi reivindicou um ataque contra uma instalação da Aramco, maior companhia petrolífera do mundo em reservas de crude e produção, na cidade saudita de Jeddah, onde decorriam treinos livres para o Grande Prémio da Arábia Saudita de Fórmula 1.

A Arábia Saudita tinha anunciado antes ter intercetado seis aparelhos não tripulados (drones) lançados pelos rebeldes Huthis, menos de uma semana depois de outra ação similar que atingiu instalações petrolíferas sauditas.

A aliança militar liderada por Riade indicou que os drones com explosivos foram lançados contra posições não especificadas do sul da Arábia Saudita, perto da fronteira com o Iémen, e “deliberadamente dirigidos contra objetivos civis e instalações energéticas”.

Esta nova vaga de ataques, que os Huthis têm efetuado periodicamente contra objetivos no país vizinho em resposta à intervenção no Iémen, ocorreu apenas cinco dias depois de operações semelhantes terem atingido sete instalações estratégicas, incluindo cinco de gás e petróleo.

O conflito no Iémen iniciou-se em 2014, depois de os Huthis, movimento político-religioso oficialmente denominado Ansar Allahi, apoiados pelo Irão, se terem revoltado contra o Governo e assumido o controlo de Sanaa e de províncias do norte e oeste do país.

No ano seguinte, uma coligação militar liderada pela Arábia Saudita envolveu-se no conflito.

A ONU considera esta guerra, que já causou mais de 100 mil mortos, sobretudo civis, originou uma das piores crises humanitárias do mundo.

EJ (ANP/PCR) // EJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS