Homossexualidade fundamental para sobrevivência das espécies

Estudo realizado pelo Instituto de Florestas e Ambiente revela que a homossexualidade é fundamental para a sobrevivência das espécies.

Homossexualidade fundamental para sobrevivência das espécies

Homossexualidade fundamental para sobrevivência das espécies

Estudo realizado pelo Instituto de Florestas e Ambiente revela que a homossexualidade é fundamental para a sobrevivência das espécies.

A homossexualidade é fundamental para a sobrevivência das espécies e faz parte do comportamento animal desde sempre, de acordo com um estudo realizado por investigadores do Instituto de Florestas e Ambiente da Universidade de Yale. Max Lambert, um dos autores da investigação, explica que as relações homossexuais podem acontecer devido à dificuldade em reconhecer o género de um parceiro até ao momento de acasalar.

Para ler também
Mais de 230 recifes de coral ameaçados de extinção em todo o mundo
Os recifes de coral cobrem apenas 0,1% do Planeta, mas abrigam cerca de 25 a 30% de toda a vida aquática. Das mais de 5 mil espécies, 232 estão ameaçadas de extinção (… continue a ler aqui)

Como a homossexualidade permite a sobrevivência das espécies

“Se um animal for muito exigente na distinção do que acha que é o sexo oposto, acasala com menos indivíduos. Por outro lado, se for menos exigente, e se se envolver em comportamentos homossexuais e heterossexuais, poderá acasalar com mais indivíduos em geral, incluindo de um sexo diferente.” Desta forma, são aumentadas as hipóteses de reprodução.

Este estudo apresenta uma nova perspetiva sobre a homossexualidade e refuta a ideia de que estes comportamentos se opõem à teoria do evolucionismo. Os antepassados de todos os animais sempre estiveram envolvidos em atos homossexuais. Os pinguins são uma das espécies mais estudadas com comportamentos homossexuais.

Impala Instagram


RELACIONADOS