Guerra fez recuar desenvolvimento do Iémen em 20 anos

A guerra civil que afeta o Iémen desde 2014 fez recuar o país 20 anos em termos de desenvolvimento e do acesso à educação, alertou um alto funcionário da ONU, citado hoje pelas agências internacionais.

Guerra fez recuar desenvolvimento do Iémen em 20 anos

Guerra fez recuar desenvolvimento do Iémen em 20 anos

A guerra civil que afeta o Iémen desde 2014 fez recuar o país 20 anos em termos de desenvolvimento e do acesso à educação, alertou um alto funcionário da ONU, citado hoje pelas agências internacionais.

“O Iémen perdeu 20 anos de desenvolvimento”, afirmou, em declarações feitas na segunda-feira à agência norte-americana Associated Press (AP), o administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Achim Steiner.

“Milhares de escolas estão fechadas, milhões de crianças não podem frequentar a escola, está a perder-se uma geração de educação”, reforçou o representante.

Mesmo antes do conflito civil, iniciado em 2014 entre os rebeldes conhecidos como Huthis, apoiados pelo Irão, e as forças do Presidente Abd Rabbo Mansur Hadi, o Iémen já era considerado o país mais pobre do mundo árabe.

O cenário de guerra e as respetivas consequências vieram agravar ainda mais a situação da nação iemenita e da respetiva população composta por 30 milhões de pessoas.

O administrador do PNUD alertou, ainda em declarações à AP, que um em cada três iemenitas corre o risco de morrer de fome.

Os rebeldes Huthis controlam vastas áreas nas regiões oeste e norte do país, incluindo a capital iemenita, Sanaa.

Desde março de 2015, as forças governamentais são apoiadas por uma coligação militar internacional árabe, cujos principais pilares são a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

O conflito no Iémen já matou dezenas de milhares de pessoas, incluindo numerosos civis, segundo diversas organizações humanitárias presentes no terreno.

A guerra causou ainda 3,3 milhões de deslocados e uma das maiores crises humanitárias no mundo, de acordo com a ONU, que indica que pelo menos 24,1 milhões de pessoas, ou seja, mais de dois terços da população iemenita, precisam de assistência.

SCA // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS