Viajou com a filha atada na traseira de carrinha [vídeo]

Um homem circulou com a filha adolescente atada na traseira de uma carrinha. A menina, de 13 anos, foi salva pela Polícia que intercetou o veículo.

Um homem circulou com filha adolescente, de apenas 13 anos, atada na traseira de uma carrinha ao longo de quilómetros até ser intercetado pela Polícia. Tudo aconteceu na Turquia, numa estrada rural, no distrito de Yaylakent. A adolescente estava atada na traseira do veículo, no porta bicicletas, quando um carro da Polícia avistou a situação. Antes de darem a ordem de paragem, porém, as autoridades policiais gravaram o ocorrido, como forma de prova do crime.

LEIA MAIS: Mulher baleada por dono de restaurante após dar má classificação

As imagens foram partilhadas nas redes sociais e provocaram uma onda de indignação na Turquia, onde a população exige pena de prisão ao pai da menina. Os internautas pedem também que a menor seja retirada aos pais, pois acreditam estar em perigo. Contudo, os familiares da adolescente asseguraram que a menina não foi obrigada a nada e que terá sido ela a pedir ao pai para circular atada ao veículo.

«O meu pai queria ver-me feliz e andou devagar. Não me senti insegura», diz a menina que viajou atada na traseira da carrinha

«Ela ia feliz e insistiu com o pai porque queria experimentar uma aventura nova», contaram à Polícia. A pressão para culpabilizar o infrator levou a Polícia a identificar o individuo. Idris K. foi detido e prestou declarações, tendo sido libertado horas depois. A menina também foi ouvida e corroborou o testemunho dos familiares. «O meu pai queria ver-me feliz e andou devagar. Não me senti insegura e não quero que nada de mal lhe aconteça», afirmou.

LEIA MAIS: Guarda prisional despede-se e vai de férias com prisioneiro [fotos]

Em sua defesa, Idris K., pai de outras oito crianças, contou ter percorrido «apenas uns 300 ou 400 metros», num suporte de bicicletas que «aguenta com 150 quilos». O suspeito vai responder por um crime de negligência grave, ficando em liberdade até à data do julgamento.

Suspeito vai responder por um crime de negligência grave

LEIA MAIS: Alterações climáticas irão matar 250 mil pessoas por ano, garantem especialistas


RELACIONADOS