Exército ucraniano reivindica ter abatido 300 ‘drones’ desde setembro

As defesas antiaéreas ucranianas abateram cerca de 300 ‘drones kamikaze’ disparados pela Rússia desde 13 de setembro, data em que foi detetado o primeiro “Shahed 136” derrubado na região de Kharkov, reivindicou hoje o exército da Ucrânia.

Exército ucraniano reivindica ter abatido 300 'drones' desde setembro

Exército ucraniano reivindica ter abatido 300 ‘drones’ desde setembro

As defesas antiaéreas ucranianas abateram cerca de 300 ‘drones kamikaze’ disparados pela Rússia desde 13 de setembro, data em que foi detetado o primeiro “Shahed 136” derrubado na região de Kharkov, reivindicou hoje o exército da Ucrânia.

Segundo o porta-voz do Comando da Força Aérea ucraniana, Yuriy Ignat, o exército russo esteve a utilizar ‘drones’ num regime de “vagas sucessivas”, com base nos cálculos estratégicos, mas começou a reduzir os disparos porque o número de dispositivos que possuem está a diminuir.

As informações do exército seguem-se a uma declaração do Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, na mais recente das mensagens que costuma transmitir ao amanhecer, em que afirmou que, desde o início da invasão russa, a Ucrânia sofreu mais de 8.000 ataques aéreos.

Zelensky sublinhou que nos últimos dois dias as forças ucranianas abateram 23 ‘drones’ de um total de 30 lançados por tropas russas e direcionados principalmente contra infraestruturas críticas, energéticas e outros alvos civis.

Zelensky também se referiu ao progresso que a Ucrânia fez em termos de eficácia e capacidade das suas defesas antiaéreas nos oito meses que passaram desde o início da invasão russa, a 24 de fevereiro.

A mensagem de Zelensky foi divulgada numa altura em que a contraofensiva lançada pelo exército ucraniano em Donetsk e Lugansk parece ter desacelerado.

Segundo o portal Ukrinform, que cita o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia, as tropas russas estão a concentrar esforços na manutenção do território ocupado na margem direita da região de Kherson.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia, que entrou hoje no 247.º dia, causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão, justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança do país, foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com o envio de armamento para as autoridades ucranianas e a imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.374 civis mortos e 9.776 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

 

JSD // APN

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS