Empresa tinha medicamento com potencial para prevenir o Alzheimer, mas nunca o divulgou

A farmacêutica Pfizer desenvolveu um medicamento com potencial para prevenir o Alzheimer, mas decidiu não avançar com a investigação devido aos custos elevados.

Empresa tinha medicamento com potencial para prevenir o Alzheimer, mas nunca o divulgou

Empresa tinha medicamento com potencial para prevenir o Alzheimer, mas nunca o divulgou

A farmacêutica Pfizer desenvolveu um medicamento com potencial para prevenir o Alzheimer, mas decidiu não avançar com a investigação devido aos custos elevados.

Uma equipa de investigadores da Pfizer descobriu, em 2015, que um dos medicamentos mais vendidos do laboratório tinha potencial para prevenir o Alzheimer. Trata-se de Enbrel, um anti-inflamatório utilizado para tratar a artrite reumatóide, que tinha a capacidade de reduzir o desenvolvimento da doença em 64 por cento.

No entanto, apesar desta descoberta, a empresa decidiu não avançar com a investigação devido aos elevados custos que isso acarretava. A informação é avançada pelo The Washington Post que, depois de ter acesso aos documentos da empresa, descobriu que a Pfizer decidiu não divulgar o potencial deste medicamento.

A farmacêutica revelou ao jornal norte-americano que optou por desistir da investigação, uma vez que exigia a realização de mais testes e ensaios clínicos de custos elevados. Depois de «um grande debate interno», o laboratório decidiu não revelar os resultados.

Os investigadores, que descobriram que o Enbrel poderia reduzir o Alzheimer, pediram, na altura, à empresa para realizar um ensaio clínico com milhares de pacientes, cujo custo estimado era aproximadamente de 71,2 milhões de euros. Confrontada com esta situação, a Pfizer explica The Washington Post que, ao fim de três anos de investigação interna, concluiu que a probabilidade do dito medicamento impedir a doença de Alzheimer não era afinal assim tão elevada, uma vez que a droga não atingia diretamente o tecido cerebral.

Comunidade científica não concorda com empresa

As opiniões dividem-se e a comunidade científica não está de acordo com a decisão tomada pela Pfizer. «Claro que o deviam fazer, Porque não?», questiona Rudolph E. Tanzi, um dos principais investigadores de Alzheimer e professor na Harvard Medical School and Massachusetts General Hospital.

«Beneficiaria a comunidade científica que os dados fossem publicados. Fossem dados positivos ou negativos, teríamos mais informação para tomarmos melhores decisões», frisa Keena Walker, professor assistente em Johns Hopkins.

LEIA MAIS

Prisão perpétua para enfermeiro que matou 85 pacientes na Alemanha

Português sufocou com 88 pacotes de droga durante operação policial em Londres

 

Impala Instagram


RELACIONADOS