Emirados, Malásia, Nova Zelândia e Fiji fecham espaço aéreo a aviões Boeing 737 MAX

Os Emirados Árabes Unidos, a Malásia, a Nova Zelândia e as ilhas Fiji encerraram o espaço aéreo aos aviões Boeing 737 MAX, após o acidente com um avião da Ethiopian Airlines, que causou 157 mortos no domingo.

Emirados, Malásia, Nova Zelândia e Fiji fecham espaço aéreo a aviões Boeing 737 MAX

Emirados, Malásia, Nova Zelândia e Fiji fecham espaço aéreo a aviões Boeing 737 MAX

Os Emirados Árabes Unidos, a Malásia, a Nova Zelândia e as ilhas Fiji encerraram o espaço aéreo aos aviões Boeing 737 MAX, após o acidente com um avião da Ethiopian Airlines, que causou 157 mortos no domingo.

Após a mesma decisão tomada por Omã, a interdição decretada pelos Emirados Árabes Unidos (EAU) traduz-se no fecho de dois mercados-chave na Península Arábica, num momento em que vários países já haviam tomado igual iniciativa.

A Agência Europeia de Segurança Aérea determinou na terça-feira o encerramento do espaço aéreo europeu a dois modelos Boeing 737 Max.

Em comunicado enviado à Lusa, a Agência Europeia de Segurança Aérea (EASA) sublinhou que, na sequência do acidente envolvendo o Boeing 737 MAX 8, da Ethiopian Airlines, “toma todas as medidas necessárias para assegurar a segurança dos passageiros”.

Irlanda, França, Alemanha, Reino Unido, Austrália, Omã, Singapura, China, Indonésia, Coreia do Sul e Mongólia proibiram, antes desta diretiva, voos daquele modelo da Boeing nos seus espaços aéreos.

Algumas empresas de aviação decidiram manter os Boeing 737 MAX 8 em terra.

Entre as empresas que optaram por suspender os voos do Boeing 737 MAX 8 estão a Norwegian, o Icelandair Group, o Tui Group (a maior operadora de turismo do mundo), a Aerolineas Argentinas, a Aeroméxico, a brasileira Gol, a indiana Jet Airways, a marroquina Royal Air Maroc e a própria Ethiopian Airlines.

O Reino Unido foi o primeiro país europeu a suspender os voos do Boeing 737 MAX 8, seguido pela Alemanha.

O Boeing 737 MAX 8 da Ethiopian Airlines despenhou-se no domingo de manhã, poucos minutos depois de ter descolado de Adis Abeba para a capital do Quénia, Nairobi.

As vítimas são de 35 nacionalidades e pelo menos 19 eram funcionários das Nações Unidas, alguns dos quais iam participar numa cimeira dedicada ao ambiente, em Nairobi.

Na terça-feira, a Boeing indicou que irá atualizar o ‘software’ de controlo de voo da aeronave 737 MAX para a tornar “ainda mais segura” antes de abril, data limite imposta pela Agência Federal de Aviação norte-americana.

JMC (JOP/CSR) // EJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS