Dezenas de milhares de manifestantes voltam às ruas contra o golpe em Myanmar

Dezenas de milhares de pessoas desafiaram a proibição de protestos em Myanmar e saíram hoje novamente às ruas para protestar contra o golpe militar, mesmo após a polícia aumentar consideravelmente o uso da força contra os manifestantes.

Dezenas de milhares de manifestantes voltam às ruas contra o golpe em Myanmar

Dezenas de milhares de manifestantes voltam às ruas contra o golpe em Myanmar

Dezenas de milhares de pessoas desafiaram a proibição de protestos em Myanmar e saíram hoje novamente às ruas para protestar contra o golpe militar, mesmo após a polícia aumentar consideravelmente o uso da força contra os manifestantes.

Testemunhas estimam que dezenas de milhares de manifestantes, se não mais, se concentraram em Rangum e Mandalay, as maiores cidades do país.

Os protestos também aconteceram na capital, Naypyitaw, e em outros lugares do país, ignorando o cumprimento da lei de emergência imposta que proíbe reuniões com mais de cinco pessoas.

Os manifestantes exigem que o poder seja restaurado ao Governo civil da líder Aung San Suu Kyi, deposto pelos militares.

Também exigem a libertação de Aung San Suu Kyi e outros membros do seu partido, a Liga Nacional para a Democracia, que os militares detiveram depois de encerrar a primeira sessão do novo Parlamento em 01 de fevereiro.

Alguns manifestantes em Rangum reuniram-se diante de embaixadas estrangeiras para pedir pressão internacional contra o golpe.

Nenhum incidente importante foi relatado no protesto de hoje em Mandalay. Algumas pessoas nas redes sociais disseram que 82 pessoas foram presas e posteriormente libertadas devido ao trabalho de advogados locais.

A 01 de fevereiro, o exército prendeu a chefe do Governo civil birmanês, Aung San Suu Kyi, o Presidente Win Myint e vários ministros e dirigentes do partido governamental, proclamando o estado de emergência e colocando no poder um grupo de generais.

Nos dias seguintes, têm ocorrido sucessivos protestos em várias cidades de Myanmar e a tensão nas ruas tem vindo a aumentar. As forças policiais têm recorrido frequentemente a canhões de água para dispersar manifestantes.

A ONU, União Europeia (UE), Estados Unidos, Japão, China, França e Reino Unido foram algumas das vozes internacionais que criticaram de imediato o golpe de Estado promovido pelos militares em Myanmar.

CSR // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS