Desaparecidas crianças de centros de refugiados na Holanda

Desde 2015 já desapareceram mais de 1.600 crianças de diferentes centros de refugiados, na Holanda, oriundas de países como Marrocos, Argélia e Afeganistão.

Desaparecidas crianças de centros de refugiados na Holanda

Desaparecidas crianças de centros de refugiados na Holanda

Desde 2015 já desapareceram mais de 1.600 crianças de diferentes centros de refugiados, na Holanda, oriundas de países como Marrocos, Argélia e Afeganistão.

Mais de 1.600 crianças requerentes de asilo desapareceram de diferentes centros de refugiados, onde aguardavam pela resolução dos seus processos, na Holanda, nos últimos quatro anos e meio, anunciaram esta segunda-feira, 3 de junho, agências oficiais.

A organização Nidos, que tem a custódia de todos os menores não acompanhados na Holanda, e a Agência Central de Acolhimento de Requerentes de Asilo (COA) consideram estas crianças em «paradeiro desconhecido» uma vez que «não está claro onde se encontram neste momento», após o seu desaparecimento.

Estas duas agências acreditam que algumas crianças fugiram dos centros para se reunirem com familiares ou amigos refugiados na Alemanha, Bélgica ou França. Contudo a Nidos alertou que muitos acabaram em «situações de exploração», dada a sua vulnerabilidade e falta de acompanhamento.

Segundo o jornal holandês NRC, estas crianças são na sua maioria provenientes de Marrocos (325 menores), Argélia (190) e Afeganistão (167) e geralmente têm poucas hipóteses de obter uma autorização de residência na Holanda, na medida em que vêm de países que podem ser considerados seguros.

O diretor da Nidos, Tin Verstegen, reconhece que também desapareceram muitos menores não acompanhados vindos da Síria (114) e da Eritreia (114), que normalmente obtêm o estatuto de refugiado legal.

O problema do desaparecimento de crianças migrantes na Europa é permanente desde 2015, indicaram fontes policiais em Haia citadas pela agência de notícias Efe, acrescentando que a preocupação de agências como a Europol é que ninguém sabe exatamente onde acabam estes menores, potenciais vítimas de trabalho forçado e prostituição ilegal.

Em 2016, o então defensor holandês de crianças Marc Dullaert estimou que 20.000 migrantes menores de idade desapareceram na Europa, advertindo que muitas dessas crianças acabam na exploração sexual ou forçadas a trabalhar.

LEIA MAIS

Suíça. Português morto à facada e namorada ferida gravemente

Gabi Costa morre aos 33 anos

Impala Instagram


RELACIONADOS