Dados das caixas negras do avião da Ethiopian Airlines já estão em França

Dados das caixas negras do avião da Ethiopian Airlines já estão em França

Os registos das caixas negras do avião da Ethiopian Airlines, que caiu no domingo e causou 157 mortos, já estão em França, mas não há uma previsão sobre a duração da sua análise, declarou hoje um responsável do BEA.

Um funcionário do Escritório de Investigação e Análise para a Segurança da Aviação Civil de França (BEA, sigla em francês) disse à agência de notícias Associated Press (AP) que os dados das duas caixas negras do Boeing 737 MAX 8 já chegaram a França, sem adiantar um prazo para a duração da sua análise.

O BEA tem experiência com acidentes aéreos globais e a sua perícia é frequentemente solicitada sempre que um avião da Airbus tem algum acidente, isso porque este fabricante aeronáutico está sediado em França.

A Ethiopian Airlines confirmou igualmente que uma delegação etíope liderada pelo seu departamento de investigação de acidentes enviou os dados de voo e dos gravadores de voz da cabine para Paris.

Mais de 40 países, incluindo os Estados Unidos, estão a deixar em terra os aviões Boeing 737 Max 8, após o segundo acidente fatal envolvendo o modelo nos últimos meses.

A companhia aeronáutica norte-americana Boeing anunciou na quarta-feira que continua a ter “total confiança na segurança dos 737 MAX”, mas que as autoridades dos Estados Unidos lhe “recomendaram” a suspensão temporária de toda a frota desses aparelhos.

Segundo um comunicado da empresa com sede em Chicago, no Estado norte-americano do Illinois, a decisão de suspender os voos dos 737 MAX foi tomada depois de consultar a Administração Federal da Aviação (FAA, na sigla em inglês) e a Associação Nacional de Segurança nos Transportes.

A Boeing acrescentou que esta é uma medida “de precaução, para tranquilizar todos os passageiros sobre a segurança da aeronave”.

O comunicado da empresa foi divulgado minutos após o Presidente norte-americano, Donald Trump, ter anunciado a suspensão dos voos dos modelos 737 MAX 8 e 9.

Após o acidente, a Agência Europeia de Segurança Aérea (EASA) proibiu na terça-feira o modelo 737 MAX 8 de operar no continente europeu, juntando-se a 20 países e 30 companhias aéreas de todo o mundo que suspenderam os voos com esses aparelhos.

Outros países suspenderam os voos do modelo em seus espaços aéreos e muitas companhias aéreas estão a deixar os aparelhos em terra.

A queda deste avião no domingo, que saiu de Adis Abeba com destino a Nairobi, ocorreu depois de, em outubro do ano passado, outro Boeing 737 MAX 8, da companhia Lion Air, se ter despenhado na Indonésia, 12 minutos após a descolagem, segundo uma das caixas negras devido a falha no sistema automático, causando 189 mortos.

CSR // SB

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Dados das caixas negras do avião da Ethiopian Airlines já estão em França

Os registos das caixas negras do avião da Ethiopian Airlines, que caiu no domingo e causou 157 mortos, já estão em França, mas não há uma previsão sobre a duração da sua análise, declarou hoje um responsável do BEA.