Condenados pela violação e morte de jovem em Nova Deli vão ser enforcados

A vítima, uma estudante de fisioterapia de 23 anos, que os media indianos chamam de «Nirbhaya» (sem medo) – porque a lei indiana proíbe a identificação de vítimas de violação -, estava a voltar para casa com um amigo após uma sessão de cinema quando seis homens os atacaram num autocarro.

Condenados pela violação e morte de jovem em Nova Deli vão ser enforcados

Condenados pela violação e morte de jovem em Nova Deli vão ser enforcados

A vítima, uma estudante de fisioterapia de 23 anos, que os media indianos chamam de «Nirbhaya» (sem medo) – porque a lei indiana proíbe a identificação de vítimas de violação -, estava a voltar para casa com um amigo após uma sessão de cinema quando seis homens os atacaram num autocarro.

Os quatro condenados pela violação e morte de uma jovem, em 2012, num autocarro em Nova Deli, na Índia, serão enforcados a 22 de janeiro, anunciou esta terça-feira, 7 de janeiro, um tribunal indiano.

LEIA DEPOIS

Jorge Jesus é ouvido em Tribunal: «Reconheci o Fernando Mendes»

Supremo rejeita recurso final dos condenados

De acordo com a agência de notícias Press Trust of India (PTI), as execuções foram agendadas após o Supremo Tribunal da Índia rejeitar no mês passado o recurso final dos condenados. O Presidente da Índia ainda pode interceder no caso, mas isso não deverá acontecer.

Lei indiana proíbe identificação de vítimas de violação

A vítima, uma estudante de fisioterapia de 23 anos, que os media indianos chamam de «Nirbhaya» (sem medo) – porque a lei indiana proíbe a identificação de vítimas de violação -, estava a voltar para casa com um amigo após uma sessão de cinema quando seis homens os atacaram num autocarro.

Suspeitos espancaram amigo da jovem e violaram-na

Os condenados espancaram o amigo da jovem com uma barra de metal, violaram a estudante e usaram a barra para lhe infligir profundos ferimentos internos. Os dois foram atirados nus para a beira da estrada e a jovem morreu duas semanas depois do ataque.

Os agressores foram julgados com relativa rapidez, num país onde casos de agressão sexual geralmente perduram por anos. Quatro réus foram condenados à morte e um outro acusado enforcou-se na prisão antes mesmo do início do julgamento, embora a sua família insista que foi assassinado. O sexto agressor era menor de idade na altura do ataque e acabou por ser condenado a três anos num reformatório para jovens.

Lusa

LEIA MAIS

Portuguesa morre em acidente no Luxemburgo

Impala Instagram


RELACIONADOS