Clube de futebol impedido de promover brinquedos sexuais

Federação de Futebol da Holanda impede FC Emmen de ostentar nas camisolas o patrocínio de uma empresa que comercializa brinquedos sexuais.

Clube de futebol impedido de promover brinquedos sexuais

Clube de futebol impedido de promover brinquedos sexuais

Federação de Futebol da Holanda impede FC Emmen de ostentar nas camisolas o patrocínio de uma empresa que comercializa brinquedos sexuais.

Já era assim antes da pandemia mundial de covid-19, muito mais agora. Falamos dos patrocínios que os clubes de futebol ostentam nas camisolas. E que acabam por ser uma das principais fontes de rendimento dos emblemas. Neste sentido, o FC Emmen já estava a fazer contas aos 500 mil euros que estava prestes a receber por um contrato publicitário. Que acabou por ser vetado!

LEIA AINDA

Os 7 brinquedos eróticos que vão de férias com os portugueses

A Federação de Futebol da Holanda (KNVB) entrou em campo para impedir o contrato que faria com que o FC Emmen recebesse uma bela quantia monetária. De acordo com o órgão que rege o futebol holandês, não é aceitável promover uma empresa que vende brinquedos sexuais. Defende a Federação de Futebol da Holanda que estaria a ser violado um dos artigos do regulamento de patrocínios, no qual se pode ler que nenhum acordo de patrocínio deverá “entrar em conflito com a lei, ordem pública ou moralidade, com bom gosto ou decência.”

Empresa de brinquedos sexuais garante que não irá desistir

E se o FC Emmen fica sem 500 mil euros, também a Easy Toys não gostou de saber que não poderia estar presente na camisola do clube. Deixando a promessa de lutar pelo acordo. “Estamos muito tristes por não podermos assumir a posição de patrocinador principal do FC Emmen. Estamos a ponderar o nosso próximo passo juntamente com o clube. Para nós esta colaboração era uma escolha lógica. Pois somos duas empresas de sucesso da mesma região, que sentem uma ligação forte. Não víamos qualquer problema. (…) Esperávamos que uma atenção mais positiva à nossa loja online contribuísse para quebrar o tabu que ainda rodeia a nossa indústria. O facto é que o erotismo e a sexualidade ainda são assuntos incómodos para alguns. Como foi evidenciado pela decisão da KNVB. E isso acontece quando os nossos brinquedos estão em dois de cada quatro lares holandeses”, lamenta Eric Idema, CEO da Easy Toys, em declarações ao Goal.

Foto: Reprodução Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS