Cientista russo que trabalhava na vacina da covid-19 encontro morto

Alexander ‘Sasha’ Kagansky, cientista de 45 anos, foi encontrado morto em circunstâncias muito suspeitas. O homem, que alegadamente terá caído de um 14.º andar, apresentava sinais de esfaqueamento.

Cientista russo que trabalhava na vacina da covid-19 encontro morto

Cientista russo que trabalhava na vacina da covid-19 encontro morto

Alexander ‘Sasha’ Kagansky, cientista de 45 anos, foi encontrado morto em circunstâncias muito suspeitas. O homem, que alegadamente terá caído de um 14.º andar, apresentava sinais de esfaqueamento.

Alexander ‘Sasha’ Kagansky, um dos mais proeminentes cientistas russos da atualidade e colaborador frequente da Universidade de Edimburgo, foi encontrado morto em circunstâncias que levantam muitas suspeitasO investigador de 45 anos, conhecido pelo seu trabalho na luta contra o cancro, encontrava-se a trabalhar numa vacina contra a covid-19. 

De acordo com uma testemunha, o homem foi até São Petersburgo visitar os túmulos dos pais, tendo aproveitado a viagem para rever um velho amigo, Igor Ivanov. Horas depois, o corpo foi encontrado numa rua da cidade por uma transeunte que por ali passava. A polícia acredita que “houve uma luta” antes do homem ter, alegadamente, caído do 14.º andar. O cadáver apresentava sinais de esfaqueamento.

Tal como avança o Daily Mail, esta segunda-feira, 21 de dezembro, as autoridades informaram que um homem de 45 anos foi detido como principal suspeito da morte de Kagansky. O comunicado avança ainda que foi aberta uma investigação por homicídio depois da descoberta de um corpo com “sinais de morte violenta”.

O presumível assassinato de ‘Sasha’ eleva para oito o número de pessoas que caíram de janelas nos últimos tempos na Rússia. O mistério adensa-se já que todas têm a covid-19 como ponto comum. Os familiares das vítimas levantam a hipótese de que os medicamentos que estão a ser utilizados para tratar a doença estejam a causar pensamentos e tendências suicidas.

LEIA MAIS
Covid-19: Mutação do coronavírus descoberta no Reino Unido não é razão para alarme

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS