Boris Johnson defende pena mínima para terroristas e é acusado de estar a usar atentado

Boris Johnson já tinha afirmado no sábado que ia rever o regime da liberdade condicional no Reino Unido, na sequência do ataque de um ex-detido condenado por terrorismo.

Boris Johnson defende pena mínima para terroristas e é acusado de estar a usar atentado

Boris Johnson defende pena mínima para terroristas e é acusado de estar a usar atentado

Boris Johnson já tinha afirmado no sábado que ia rever o regime da liberdade condicional no Reino Unido, na sequência do ataque de um ex-detido condenado por terrorismo.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, defendeu este domingo, 1 de dezembro, penas mínimas de 14 anos para crimes terroristas, dois dias após um ataque que matou duas pessoas na Ponte de Londres, tendo sido acusado de usar o atentado com fins políticos.

LEIA DEPOIS

Jack, o «espírito bom» que ajudava ex-reclusos. Morreu esfaqueado no ataque em Londres

«Alguns dos condenados não devem sair nunca mais»

«As condenações por crimes terroristas devem ser alvo de uma sentença mínima obrigatória de 14 anos e alguns [dos condenados] não devem sair nunca mais», disse Boris Johnson, referindo-se ao facto de o responsável pelo ataque realizado na Ponte de Londres, na sexta-feira, ter sido condenado em 2012 por terrorismo e libertado automaticamente seis anos depois.

Boris Johnson diz que vai rever o regime da liberdade condicional

Boris Johnson já tinha afirmado no sábado que ia rever o regime da liberdade condicional no Reino Unido, na sequência do ataque de um ex-detido condenado por terrorismo.

Estado Islâmico assume responsabilidade pelo ataque

O grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo ataque do britânico Usman Khan, de 28 anos, que provocou dois mortos e três feridos, tendo sido morto a tiro pelas forças policiais. Usman Khan foi condenado a um período indeterminado de prisão em 2012, mas um recurso interposto em 2013 reduziu a sua pena para 16 anos de prisão.

Johnson acusa o Partido Trabalhista de estar na origem da lei que permitiu a libertação de Usman

«Este sistema [de liberdade condicional automática depois de cumprida parte da pena de prisão] tem de acabar – repito, tem de acabar», disse Boris Johnson, que é também candidato à sua reeleição, no dia 12. «Todos os crimes terroristas e extremistas devem ter cumprimento integral da sentença proferida pelo juiz: esses criminosos devem cumprir todos os dias da sua sentença, sem exceção», afirmou o líder conservador, acusando o Partido Trabalhista de estar na origem da lei que permitiu a libertação automática de Usman Khan.

Estas medidas teriam impedido o ataque sangrento reivindicado pelo grupo ‘jihadista’ do Estado Islâmico, assegurou o primeiro-ministro. «Deem-me uma maioria e eu proteger-vos-ei do terrorismo», garantiu.

PM acusado de usar atentado como forma de obter ganhos políticos

As propostas avançadas pelo primeiro-ministro não constam do programa de Governo apresentado pelos conservadores para as eleições de 12 de dezembro, o que está a provocar acusações de uso do atentado como forma de obter ganhos políticos. Uma das vozes críticas é a do pai de uma das vítimas, Jack Merritt.

Lusa

LEIA MAIS

Previsão do tempo para esta segunda-feira, 2 de dezembro

Impala Instagram


RELACIONADOS